quinta-feira, 2 de julho de 2015

FLIPINHA 2015

Autores convidados para a programação infantil 2015


Parte da programação da Flip desde 2008, a Flipinha trará para o evento, que acontece durante a Flip, em Paraty, entre os dias 1 e 5 de julho, 14 escritores e ilustradores que representam a diversidade de gêneros e a criatividade da literatura infantil e juvenil brasileira.

Homenageado da Flip 2015, o escritor Mário de Andrade será lembrado na Flipinha, por meio da obra de dois autores que participam da atual edição: Luciana Sandroni, autora de O Mário que não era de Andrade (Companhia das Letrinhas), e Odilon Morais, ilustrador do livro Será o Benedito! (Cosac Naify, 2008). A clássica literatura brasileira estará presente também nas obras de outra convidada, a ilustradora Simone Mathias, que ilustrou, entre outros, o livro O estribo de prata (Record), com texto de Graciliano Ramos.

Confira a lista dos autores que participam da 9ª edição da Flipinha:

Alessandra Pontes Roscoe
Mineira, moradora do Distrito Federal, teve seu primeiro conto publicado, aos nove anos, numa antologia poética organizada pela Fundação Educacional do DF. Possui 25 livros publicados, entre eles Histórias pra boi casar Peirópolis  e JK, o lobo-guará (Melhoramentos). Em 2013, foi finalista do Prêmio Jabuti e coordenou o Festival Itinerante de leitura que percorreu 20 Regiões administrativas do DF.
Blogs: unidunilertodasasletras.wordpress.com e contoscantoseencantos.blogspot.com


Claudio Fragata
Paulista de Marília, foi jornalista e editor antes de se dedicar integralmente à literatura. Passou parte da infância como menino de apartamento em São Paulo, onde seus companheiros eram os livros e o seriado Sítio do Pica-pau Amarelo, baseado na obra de Monteiro Lobato. Autor dos livros Alfabeto escalafobético (Jujuba) e A princesinha boca-suja (Ática/ Scipione).


Dilan Camargo
Gaúcho, publicou, em cerca de 30 anos de carreira, mais de 20 livros de poemas e contos infantis, juvenis e adultos, além de peças teatrais e letras de canções. Vencedor de prêmios em literatura e música, com longo histórico de publicações em jornais e participações em feiras de livro, Dilan é também um dos fundadores da Associação Gaúcha de Escritores e apresenta um programa de entrevistas em uma tevê pública gaúcha.


Diléa Frate
Paulista, é jornalista e escritora. Foi diretora e redatora do Programa do Jô durante 20 anos. Publicou sete livros infantis. Procura-se Hugo (Ediouro) virou peça de teatro. Um de seus últimos livros A menina que carregou o mar nas costas (Nova Fronteira) acaba de ser transformado em um curta-metragem dirigido e roteirizado por ela. Foi premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte e recebeu a menção honrosa da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Criadora do programa Tv Piá, eleito pelo júri infantil do Festival Comkids Iberoamericano como o melhor programa infantil de não ficção para crianças de 7 a 11 anos.


João Anzanello Carrascoza
Paulista, é graduado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de São Paulo, onde é professor desde 1993. Em 2013, concluiu, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sua pesquisa de pós-doutorado sobre a interface entre a publicidade e a literatura. É autor de contos e romances, além de obras para crianças e jovens. Possui mais de 30 livros publicados, que lhe valeram alguns dos mais importantes prêmios literários do país: Jabuti, Guimarães Rosa/Radio France Internationale, Fundação Biblioteca Nacional, Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e APCA. Escreveu para o público infantil as obras Prendedor de sonhos (Ática/ Scipione), Ladrões de histórias (Formato/ Saraiva) e O homem que lia as pessoas (Edições SM).


Luciana Sandroni
Carioca, formou-se em letras e fez mestrado em comunicação e semiótica. Autora de vários livros infantis e juvenis premiados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Luciana também recebeu o Prêmio Jabuti de Melhor Livro Infantil por Minhas Memórias de Lobato, e indicação para a lista de honra do Ibby, International Board on Books for Young People. Autora da biografia O Mário que não era de Andrade (Companhia das Letrinhas).


Luiz Ruffato
Trabalhou em diversos jornais até que, em 2003, abandonou a carreira de jornalista para se tornar escritor em tempo integral. Tem treze livros publicados, entre romances, ensaios e coletâneas de poemas. Seus livros já receberam traduções para o alemão, o finlandês, o inglês, o espanhol, o francês e o italiano. Escreve semanalmente para o El Pais Brasil. Tem dois livros infantis publicados: A história verdadeira do sapo Luiz (DSOP) e De mim já nem se lembra (Moderna/ Salamandra).


Odilon Morais
Paulista, cursou arquitetura, mas sua paixão por livros e desenhos (bem como uma boa dose de acasos) o levou a trabalhar com ilustração de livros. Recebeu prêmios como o Jabuti e o Adolfo Aizen, da União Brasileira de Escritores. Hoje, Odilon divide suas atividades entre a produção e os cursos que ministra no Instituto Tomie Ohtake e em outras instituições. Ilustrador dos livros Será o Benedito! (Cosac Naify, 2008), a partir da obra de Mário de Andrade, e Germinal, de Émile Zola.


Ondjaki
Ondjaki é africano de Luanda. Prosador, poeta e roteirista de cinema. É membro da União dos Escritores Angolanos e da Associação Protectora do Anonimato dos Gambuzinos. Seus livros foram traduzidos para diversos idiomas, como espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio, sueco e polaco. Publicou os livros O voo do golfinho (Companhia das Letrinhas) e Uma escuridão bonita (Pallas), entre outros.
Site: www.kazukuta.com/ondjaki


Rita Carelli
Paulista, é escritora e ilustradora, além de atriz e cineasta. Viveu parte de sua infa^ncia entre aldeias de índios, acompanhando seus pais em filmagens e pesquisas. Seus livros são uma forma de compartilhar com as crianças não indígenas e suas famílias as alegrias e dificuldades das crianc¸as indi´genas do Brasil. Autora da coleção Um dia na aldeia (Cosac Naify).


Simone Matias
Formada em jornalismo, estudou desenho e pintura nos EUA, no Brasil e na Itália. É ilustradora e professora de desenho, pintura e ilustração. Lançou seu primeiro livro em 2006 e hoje tem mais de 40 livros publicados. Fez ilustrações para a Folha de São Paulo, Folhinha e para a Revista Crescer.


Stella Maris Rezende
Mineira, Stella Maris Rezende é mestre em Literatura Brasileira, escritora, dramaturga, artista plástica, cantora e atriz. Publicou romances, novelas, crônicas, contos e poemas, para o público adulto, juvenil e infantil. Recebeu prêmios importantes, entre eles o Prêmio Nacional de Literatura João-de-Barro, o Jabuti e o Prêmio Barco a Vapor/Fundação SM.


Tiago Hakiy
Amazonense, descende do povo sateré-mawé. Poeta, escritor e contador de histórias tradicionais indígenas. É autor de vários livros sobre a temática, voltados para o público infantil, como CurumimZice (Leya) e Guaynê derrota a cobra grande (Autêntica). Em 2012, foi vencedor do Concurso Tamoios de Textos de Escritores Indígenas. Formado em Biblioteconomia pela UFAM (Universidade Federal do Amazonas), mora no coração denso da floresta amazônica.


Tino Freitas
Cearense, morador de Brasília, é um artista múltiplo: escritor, músico, jornalista, e também mediador de leitura do projeto Roedores de Livros, que, desde 2006, desperta o prazer de ler junto a crianças no entorno de Brasília. Seus livros já estiveram entre os finalistas do Prêmio Jabuti de Literatura Infantil (2011, 2013 e 2014) e ganharam o Selo Altamente Recomendável para Crianças pela FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil). Entre suas obras estão Os invisíveis (Casa da Palavra) e Três porquinhos de porcelana (Melhoramentos).
Blog: literatino.blogspot.com


A programação completa da Ciranda dos Autores será divulgada nos próximos meses.

Paraty
Entre os dias 2 e 3 de fevereiro, que marcam o início do ano letivo, os professores paratienses receberão a lista dos autores convidados da Flipinha, em oficina com Anna Claudia Ramos e Verônica Lessa, autoras do Manual da Flipinha, material didático com informações sobre a vida e a obra dos autores, que será distribuído em breve. “A partir dessa primeira atividade de formação, as escolas poderão desenvolver ações de leitura junto aos alunos, numa sintonia mais fina com as experiências que as crianças vão vivenciar na Flipinha”, conta Gabriela Gibrail, curadora da Flipinha e coordenadora da área de Cultura e Educação Flipinha / FlipZona. Parte das atividades desenvolvidas por alunos e professores em sala de aula ao longo do primeiro semestre será apresentada ao público da Flipinha nos dias da festa literária em Paraty.


A Flipinha é um programa permanente da Associação Casa Azul junto às escolas públicas municipais e estaduais e às escolas particulares de Paraty, com o objetivo de estimular a leitura entre os 13 mil estudantes da região.


Quem faz a Flipinha
A Flipinha é realizada pela Associação Casa Azul. A Casa Azul é uma organização da sociedade civil de interesse público, que desenvolve projetos nas áreas de arquitetura, urbanismo, educação e cultura. Desde as primeiras ações, mantém uma intensa relação com a cidade de Paraty. A Flip, o Museu do Território de Paraty e os projetos educativos permanentes - Flipinha, FlipZona e Biblioteca Casa Azul - são algumas de suas experiências que potencializam importantes transformações no território e ajudam a melhorar a qualidade de vida de crianças e jovens paratienses.


Patrocínio
A programação da Flip conta com o patrocínio oficial do Itaú e outros parceiros ainda em vias de confirmação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário