quinta-feira, 28 de junho de 2012

Reinaugurada a Casa do Povo em Vacaria/RS

Em reforma desde 2009, a Casa do Povo foi reinaugurada dia 22 de junho, em Vacaria. Tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Estado desde 2008, a Casa do Povo é um dos poucos projetos do arquiteto Oscar Niemeyer no Rio Grande do Sul. O investimento na reforma supera os R$ 3 milhões e é fruto do acesso ao mecanismo de incentivo fiscal, via Lei Rouanet do Ministério da Cultura. A casa conta com um auditório com palco para 2 mil pessoas e subsolo com camarins e cômodos para oficinas especialmente para os estudantes da rede pública. O prédio será alugado para eventos e seguirá sob administração da Associação dos Amigos da Casa do Povo.
FBN e Funarte oferecem 30 bolsas de criação e 20 de circulação, voltadas para a literatura

A Fundação Biblioteca Nacional e a Funarte, Antonio Grassi, anunciou hoje, 28 de junho, o lançamento oficial das bolsas de criação e de circulação literária FBN/Funarte. Serão oferecidas 30 bolsas voltadas para a criação literária, em âmbito nacional, no valor de R$ 15 mil cada, direcionadas a escritores iniciantes. O objetivo do edital é promover o desenvolvimento de projetos de criação de romances, contos, crônicas, novelas e poemas. Já para o edital de circulação literária serão destinadas 20 bolsas, no valor de R$ 40 mil, com o intuito de concretizar projetos voltados à promoção e difusão da literatura por meio de oficinas, cursos, contação de histórias e/ou palestras. As inscrições nos editais podem ser feitas até o dia 2 de agosto. Informações e acesso aos editais: Bolsa Fundação Biblioteca Nacional / Funarte de Criação Literária Bolsa Fundação Biblioteca Nacional / Funarte de Circulação Literária
MinC lança prêmio Culturas Indígenas

A Secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Márcia Rollemberg, lançou no dia 21 de junho, no Galpão da Cidadania, a 4ª edição do Prêmio Culturas Indígenas. Para a secretária, o prêmio é uma forma de “garantir o direito de expressão cultural” e levar a cultura indígena aos demais segmentos da sociedade. “É um reconhecimento em relação às atividades que fortalecem a identidade cultural dos povos indígenas, uma forma de dar visibilidade às etnias indígenas”. Segundo Márcia Rollemberg, outro dado importante é o fato de que a Lei Rouanet está sendo aplicada para valorizar a cultura indígena. “Com o patrocínio da Petrobrás, está se usando os recursos da renúncia fiscal para fortalecer a identidade cultural dos povos indígenas”. O prêmio foi criado pelo MinC a partir de uma proposta do colegiado setorial das Culturas Indígenas junto ao Conselho Nacional de Política Cultural.
SCDC divulga que R$ 38,9 milhões do orçamento deste ano já foram investidos em pagamentos

A Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura já executou, até o mês de junho, R$ 38,9 milhões do total de R$ 107,9 milhões referentes ao orçamento previsto para este ano. De acordo com a secretaria, o montante, relacionado ao exercício de 2012,  foi investido em pagamentos de editais, contratos e convênios com Pontos, Pontões e Redes de Pontos de Cultura, bem como descentralizações (repasse de recursos a instituições públicas federais que desenvolvem projetos em parceria com a Secretaria). Em relação aos editais, houve pagamento de premiados/bolsistas de oito concursos, dentre os quais estão os Pontinhos de Cultura/2010 e Cultura Digital/2010
Câmara aprova PEC que cria Sistema Nacional de Cultura

Em sessão extraordinária de terça-feira (26/06) o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a Proposta de Emenda à Constituição nº 416/2005, que institui o Sistema Nacional de Cultura. O ministro interino da Cultura, Vitor Ortiz, acompanhou a aprovação no plenário. “Foi uma importante vitória. Obtivemos a aprovação em primeiro e segundo turnos antes do início do recesso parlamentar”. Vitor Ortiz disse, também, que no segundo semestre, o esforço volta-se para o Senado. “A PEC vai para apreciação dos senadores e nossa expectativa é que ela seja aprovada ainda este ano e, efetivamente, incluída na Constituição brasileira”, explica. “A previsão da existência do SNC está para o MinC, assim como o SUS está para o Ministério da Saúde e o Sistema Nacional de Educação para o MEC. Ou seja, é a consolidação do espaço institucional das políticas culturais no Brasil”, avaliou o ministro interino Vitor Ortiz
Alunos formandos de teatro do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado ocupam a Avenida Afonso Pena
Intituladas ‘Desvios urbanos’, as ações acontecem de 3 a 7 de julho e passam por espaços tradicionais do centro da cidade

Os alunos formandos do curso de teatro do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar), apresentam, de 3 a 7 de julho, as intervenções artísticas ‘Desvios Urbanos’. Com direção geral do professor do curso de teatro, Lenine Martins, a ocupação tem início em frente ao Palácio das Artes e passa por pontos tradicionais do centro da cidade, como os Correios, a sede da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e os pontos de ônibus da Avenida Afonso Pena (entre as ruas Guajajaras e Bahia). O público que acompanhar as intervenções poderá escolher qual caminho seguir: o mais longo, que segue a Avenida Afonso Pena até o Mercado das Flores, ou um mais curto, que atravessa a Avenida em frente à entrada do Parque Municipal, passa pelos Correios e volta ao Palácio das Artes (veja roteiro abaixo).

Para o diretor Lenine Martins, a ocupação na Afonso Pena é um desafio importante para os alunos. “É diferente do teatro de palco, uma vez que eles têm que lidar com a improvisação e com uma série de ruídos que estarão acontecendo ao lado”, afirma. “Não há uma linearidade muito delimitada, como no teatro, o que é uma proposta desafiadora para os alunos que estão no final do curso e se preparam para atuar profissionalmente nos mais diversos tipos de espetáculos”, conclui.

Ao todo, 16 alunos formandos participam da intervenção, que tem uma hora e meia de duração.

- Roteiro das intervenções na Avenida Afonso Pena:

Ponto de Partida:
- Palácio das Artes (portaria funcional);
- 1° ponto de ônibus;
- Árvore próxima à entrada do Parque Municipal (1ª entrada);

Opção de continuidade 1:
- Pontos de ônibus após a entrada do Parque Municipal;
- Postes de luz;
- Lixeiras;
- 2ª entrada do Parque Municipal (antes do Mercado das Flores);
- Atravessam a Avenida;
- Pastelaria (esquina da Rua da Bahia com Avenida Afonso Pena);
- Em frente à academia (próxima à Prefeitura Municipal de Belo Horizonte);
- Em frente à Prefeitura Municipal de Belo Horizonte;
- Em frente aos Correios;
- Retorna ao Palácio das Artes (portaria principal);

Opção de continuidade 2:
- Atravessam a Avenida;
- Em frente aos Correios;
- Retorna ao Palácio das Artes (portaria principal).

Sobre o diretor Lenine Martins
Lenine Martins é Professor de Interpretação no CEFAR desde 2001, onde se formou como Ator em 1996. Fundou e integra a Maldita Cia. de Investigação Teatral. Participou como curador, diretor e ator de vários festivais de teatro, apresentando espetáculos com dramaturgia própria, envolvendo a ocupação de espaços alternativos, ruas e teatros.

Sobre o Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar)
Sediado no Palácio das Artes, o Cefar é constituído por escolas de dança, teatro e música, sendo referência em Minas Gerais no desenvolvimento artístico de jovens talentos e profissionais. Além dos cursos regulares, oferece oficinas e cursos livres destinados à capacitação, qualificação, aperfeiçoamento e atualização de profissionais da arte e da cultura.
Desenvolve, ainda, projetos como a Big Band Palácio das Artes, o Grupo de Choro Palácio das Artes, o Ballet Jovem Palácio das Artes, o Coral Infantojuvenil Palácio das Artes, que possuem uma agenda permanente de apresentação ao público.

Serviço
‘Desvios Urbanos’ – Ocupação dos alunos formandos de teatro do Cefar
Data: 3, 4, 5, 6 e 7 de julho
Horário: 20h
Duração: 1h30
Local: Avenida Afonso Pena (em diversos pontos entre ruas Guajajaras e Bahia)
Informações para o público: (31) 3236-7400
Preparem as coleiras e as guias para a 8ª Cãominhada no domingo
 
Evento terá muitas atrações para os animais de estimação
 
Mapa da Cãominhada

 
A Cãominhada realizada neste domingo (1), das 10h às 14h, na avenida Bartolomeu de Gusmão, entre os Canais 4 e 6, em Santos (SP), é o evento mais aguardado do mundo animal. Na sua oitava edição, ele é considerado o maior do segmento na região, por movimentar e aquecer o mercado pet.
 
Neste dia, milhares de cães têm acesso a serviços gratuitos exclusivos. Para isso, serão montadas 15 tendas ao longo do percurso de 1 km.
 
Os donos, além de receber inúmeras orientações sobre castração, câncer de mama animal e posse responsável, se divertem com a apresentação dos cães da Guarda Portuária e da Polícia Militar. E ainda conferem a exposição de animais taxidermizados da Polícia Ambiental. 
 
As crianças ganham identificação na tenda da TV Tribuna e podem brincar à vontade nos brinquedos infláveis, além de mudar o visual no salão de beleza mirim. 
 
No palco, elas acompanham a apresentação dos palhaços Pudim e Pirulito e conhecem os três vencedores da promoção A Cara do Dono, que tem como objetivo eleger o cão que mais se parece com o seu dono nas categorias pequeno, médio e grande porte.
 
No mesmo local, assistem, por 50 minutos, o show do Circo Mágico. Com a apresentação do ilusionista Dimy, o espetáculo repleto de músicas animadas, palhaço, malabarismos e magia promete envolver o público.
 
Dicas – A ONG Defesa da Vida Animal, Oscip S.O.S. Animas de Rua, Movimento Esperança Animal Baixada Santista (MEABS) e a Coordenadoria de Proteção à Vida Animal (Codevida) estarão presentes no evento dando dicas de castração e de cuidados. 
 
Segundo as responsáveis pelas organizações, para desfrutar da 8ª Cãominhada ao máximo, o cão deverá estar com guia e coleira, mesmo que ele esteja habituado a sair sem ela. E os animais de grande porte devem utilizar a focinheira. 
 
A hidratação é outo ponto importante, tanto para os animais de estimação quanto para os donos. Na tenda da Sabesp haverá distribuição de água para humanos e no pet stop os cães matarão a sede em canaletas com água corrente.
 
Brinde – Durante a Cãominhada, os participantes que doarem um quilo de ração animal na tenda da TV Tribuna ganharão um brinde especial da emissora, que este ano comemora 20 anos. As doações serão encaminhadas para organizações que protegem a vida animal.
 
Trânsito – Por conta do evento, o trânsito nos dois sentidos da avenida Bartolomeu de Gusmão, no trecho entre as ruas Oswaldo Cruz e avenida Coronel Joaquim Montenegro, ficará bloqueado no domingo.
 
Como rota alternativa, a CET-Santos indica a avenida Epitácio Pessoa aos motoristas que se deslocam no sentido Ponta da Praia. Os condutores que estiverem no sentido oposto poderão seguir pelas ruas Guaiaó, Conselheiro Ribas, Conselheiro Lafayete, Canal 4 e Rua Bento de Abreu. 
 
O transporte coletivo também será desviado durante o evento. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0800-77-19-194. No portal TVTribuna.com há mais notícias.
 
A 8ª Cãominhada é uma realização da TV Tribuna, afiliada Rede Globo na Baixada Santista e Vale do Ribeira, com o patrocínio da Unimes (Universidade Metropolitana de Santos) e do grupo Pet Center Marginal. O evento conta com o apoio da Sabesp, Polícia Militar, Polícia Ambiental, Corpo de Bombeiros, Guarda Portuária, CET-Santos (Companhia de Engenharia de Tráfego), Terracom e Prefeitura de Santos. A organização é da Kawan Eventos.
 
Serviço:
 
8ª Cãominhada
Data: Domingo, 1 de julho
Concentração: 10h, na avenida Bartolomeu de Gusmão com a rua Oswaldo Cochrane, em Santos (SP)
Percurso: 1 km, entre os Canais 4 e 6, na orla da praia
Término: 14h
Entrada franca
 
Lista de serviços oferecidos nas tendas:
 
Saúde animal - avaliação básica de saúde, orientação para prevenção contra pulgas e carrapato e distribuição de cupom de desconto para vacinação
 
Polícia Ambiental - Exposição de material de educação ambiental e animais taxidermizados, e orientação à população a respeito dos crimes e infrações ambientais
 
Foto recordacão - orientação nutricional e foto do cachorro com o dono
 
S.O.S. Animas de Rua e MEABS - Campanha educativa contra abandono de animais, fotomontagem de ações da S.O.S Animais de Rua, distribuição de brindes, informação sobre cães disponíveis para doação e orientação sobre o MEABS, que recolhe e recupera animais doentes e com maus-tratos
 
Identificação pet - gravação de plaquinha de identificação personalizada
 
Sabesp - Distribuição de água potável para humanos
 
Pet stop - sistema de água corrente em canaleta para hidratação dos cães
 
Salão de beleza animal - banho a seco, corte de unha e limpeza de orelha  
 
TV Tribuna - Arrecadação de ração com troca de brinde e distribuição de pulseiras de identificação para as crianças
 
Hospital Veterinário Unimes - Pronto atendimento em caso de acidentes com os animais, esclarecimento de dúvidas sobre doenças relacionadas aos animais de estimação e campanha de detecção de câncer de mama em cadelas
 
Dog Beer Café - degustação de cerveja para cachorro
 
ONG Defesa da Vida Animal e Codevida – Esclarecimentos sobre os benefícios da castração e sobre crime de abandono, exposição de fotos, orientações sobre zoonoses e distribuição de folhetos
 
Salão de beleza para as crianças – Penteados, maquiagem, manicure, tatuagens instantâneas e spray para tingir os cabelos de meninas e meninos. Todos os produtos são antialérgicos e voltados ao público infantil
 
Polícia Militar e Guarda Portuária – Apresentação de cães
 
 
Por Emanuelle Oliveira
Jornalista - Mtb 59.151
ANP motiva jovens a trabalhar no setor de óleo e gás

Por Redação TN / EcoD

Até 2015, a indústria de óleo e gás quer disponibilizar 50 mil vagas de emprego, por ano para o nível técnico. Por esse motivo, a Agência Nacional do Petróleo, Gás-Natural e Biocombustíveis (ANP) lançou a campanha "Vamos Nessa. O Brasil Precisa de Você", como objetivo de divulgar, sobretudo para o público jovem, programas de incentivo à capacitação profissional nesse setor. Assista ao vídeo. 
Apresentada pelo ator Caco Ciocler, a campanha que será exibida até o dia 4 de agosto em TV aberta, cinemas e mídia impressa e digital, com o conceito artístico de um filme de ação.
Já na internet, o hotsite da iniciativa apresenta a relação das 274 profissões básicas, técnicas e universitárias que compõem o universo da indústria petrolífera, as características e possibilidades de cada ofício, além de depoimentos de profissionais já empregados no setor. A iniciativa pode ser acompanhada também pelo Facebook, Twitter  e Youtube.
Segundo a ANP, a indústria de óleo e gás, incluindo a cadeia de fornecedores, demanda um número crescente de profissionais. As oportunidades são oferecidas para jovens dos níveis fundamental, médio e técnico, além do superior.
Índios querem que sejam cumpridas condições para amenizar efeitos negativos

Por Redação TN / Pedro Peduzzi, Agência Brasil

Cerca de 200 índios xikrins e jurunas estão acampados desde o dia 21/6 nas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na tentativa de acelerar o cumprimento das condicionantes destinadas a amenizar os efeitos negativos da usina para as populações indígenas afetadas. De acordo com a colaboradora do movimento, Rafaela Ngrenhdjan Xikrin, não há ligação entre esta ocupação e a ocorrida durante o encontro Xingu+23, iniciado no último dia 13/6 em Altamira (PA).
“Nosso movimento é contrário a ações como as dos mundurukus, até porque eles não são daqui e não serão afetados pela obra”, disse Rafaela Xikrin à Agência Brasil. O Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) informou que a primeira ocupação resultou na depredação de 35 salas. Pelo menos 50 computadores foram quebrados, notebooks e rádiocomunicadores foram furtados e dezenas de aparelhos de ar condicionado foram danificados. A estimativa, segundo o consórcio, é um prejuízo superior a R$ 500 mil.
A organização do movimento responsável pela ocupação atual está aguardando, para os próximos dias, a chegada de outros 100 índios das etnias Paracanã e Xipaia para reforçar a manifestação nas obras da usina. Entre as reivindicações apresentadas pelos xikrin e juruna acampados está a implantação do Plano Básico Ambiental (PBA), destinado a estabelecer e efetivar os programas de compensação e mitigação dos impactos já sentidos na região pelos índios.
Eles cobram também a definição da situação fundiária das terras indígenas Terra Wangã, Paquiçamba, Juruna do Km 17 e Cachoeira Seca, além da construção de mais estradas, como alternativa ao transporte fluvial que será prejudicado pela barragem e pela redução da vazão do Rio Xingu. Outra condicionante cobrada pelos índios acampados é relativa à falta de investimentos de infraestrutura necessários às aldeias impactadas, visando a garantir captação de água potável nas da Volta Grande do Xingu.
“Nossas lideranças não querem a participação de outros movimentos porque isso pode comprometer nosso objetivo, que é cobrar o cumprimento das condicionantes previstas”, disse a colaboradora xikrin. “Essa ocupação conta apenas com a participação de índios, para evitar o risco de ser descaracterizada ou manobrada. Em princípio, não somos contrários à obra, mas poderemos passar a ser, caso as condicionantes [previstas] não sejam cumpridas”, argumentou.
O CCBM avalia a atual ocupação como pacífica. De acordo com a assessoria do consórcio, os índios que participaram da primeira ocupação “eram de Mato Grosso e chegaram ao local com crachás, acompanhados de manifestantes não indígenas que integram organizações não governamentais (ONGs) [ligadas ao Movimento Xingu Vivo], notadamente contrárias à construção da hidrelétrica”.
Consultada pela Agência Brasil, a Fundação Nacional do Índio (Funai) confirmou que não há aldeias munduruku nas áreas a serem influenciadas pela obra. De acordo com a assessoria do órgão, os munduruku mais  próximos estão na região da Usina de Teles-Pires, em Mato Grosso.
A assessoria de comunicação do Movimento Xingu Vivo reiterou à Agência Brasil que não houve qualquer participação de seus integrantes na quebradeira ocorrida durante a primeira ocupação, à época do Xingu+23 – evento promovido por ela. “Nenhum dos nossos membros participou da quebradeira; nenhum dos nossos integrantes mexeu em qualquer caneta do CCBM; e não fizemos qualquer incitação para que a invasão acontecesse”, garantiu a assessora Verena Glass.
Perguntado sobre a nova ocupação de índios nas obras de Belo Monte, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse que o movimento atual “faz parte do direito de protesto”, e que os índios têm o direito de manifestar suas preocupações.
“Nosso pessoal está lá dialogando [com eles] e, assim como outras vezes, vamos, por meio de métodos pacíficos, superar essa questão. Belo Monte não tem como voltar atrás. É uma usina que já está em processo de construção. Estamos tomando todos os cuidados para diminuir os efeito negativos à população local e para fazer as compensações sociais e ambientais. O governo está agindo com responsabilidade. Agora, o direito de protesto, como todos sabem, é livre no país”, disse o ministro.
overno quer usina como exemplo de condições de trabalho na construção civil

Por Redação TN / Pedro Peduzzi, Agência Brasil

Começou ontem (26/6) e segue até o dia 29/6 a visita técnica de representantes do governo federal a Altamira, para averiguar a situação dos trabalhadores nas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, e dar início à implementação do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção. A iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República tem o objetivo de melhorar as condições de trabalho na construção civil a exemplo do ocorrido no setor sucroalcooleiro. De acordo com a secretaria, Belo Monte será usado "como exemplo de condições de trabalho para todo o setor de construção civil do país".
De modo geral, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Pará (Sintrapav) considera, segundo seu vice-presidente, Roginel Gobbo, que "as condições de trabalho são boas" nos canteiros de Belo Monte, apesar da insatisfação de boa parte dos trabalhadores com a distância entre os períodos de baixada – nove dias de folga a cada seis meses para os trabalhadores oriundos de outros estados.
“Em linhas gerais, não há problemas nem condições subumanas para os trabalhadores da obra. Mas buscamos melhorias sempre que possível. As maiores queixas continuam sendo a distância entre os períodos de baixada e os valores dos tickets de alimentação”, disse Gobbo à Agência Brasil. O sindicato está acompanhando a visita técnica coordenada pelo assessor da Secretaria-Geral da Presidência da República, José Lopez Feijóo.
Foram convidados a participar da visita representantes do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicom), da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada (Fenatracop), da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria da Construção e do Mobiliário (Contricom), do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Mobiliária de Altamira e do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada e Afins do Estado do Pará.
A empresa responsável pela construção e operação da hidrelétrica, a Norte Energia, e o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM), executor das obras civis e de engenharia, também foram convidados.
Entre as pautas da visita estão questões relativas à representação no local de trabalho, comissão de saúde e segurança, recrutamento, contratação e qualificação da mão de obra.
Gestão Integrada de Riscos contribui para segurança e sucesso da Rio+20

Por Redação TN / Assessoria de imprensa

Durante a Rio+20, o software utilizado para dar suporte à Gestão de Riscos e Incidentes da conferência registrou 8.478 eventos críticos, como engarrafamentos, protestos e interdições de vias. O desdobramento destes incidentes geraram aproximadamente 130 mil entradas no sistema. Outros 34 mil alertas foram enviados a responsáveis pela operação, infraestrutura e segurança, sendo efetuadas mais de 5 mil  ações de acompanhamento, controle e resolução dos fatores críticos. 
O programa usado foi o Módulo Risk Manager, tecnologia brasileira que integrou todas as informações relevantes para monitoramento, segurança e logística, compartilhando os dados por meio de smartphones, tablets, SMS, e-mail e telefone. Através da combinação de uma sala de controle de riscos e da unidade de defesa cibernética, o software da empresa Módulo permitiu à organização identificar e dar resposta a riscos operacionais e cibernéticos. Essa tecnologia brasileira reforçou a convicção de que o país está preparado para receber grandes eventos e monitorar riscos operacionais e cibernéticos.
A Sala de Gestão Integrada de Riscos, montada pela Módulo, atuou 24 horas por dia, em 3 turnos, com  equipe de cerca de 50 pessoas. O software Módulo Risk Manager facilitou a integração das diversas entidades participantes da organização do evento e o monitoramento de mais de cinco mil pontos, como hotéis, restaurantes, ruas, aeroportos, além de ter acompanhado o deslocamento das delegações internacionais. 
"A solução de gestão integrada de riscos adotada pela equipe organizadora para Rio+20 é uma solução de estado da arte para gestão de grandes eventos. Reforça a qualificação do Brasil para receber a  Copa do Mundo e Olimpíadas, e a competência das empresas brasileiras para apoiarem esse esforço" destaca Sergio Thompson- Flores, CEO da Módulo.
A Sala de Gestão Integrada recebeu visitas de diversas entidades e autoridades para conhecer o modelo aplicado na Rio+20, dentre os quais representantes das Forças Armadas do Brasil e das Forças Armadas da Argentina, representantes da Polícia Federal, do Presidente do INEP, Luiz Claudio Costa, e do  Diretor de Pesquisa de Segurança Cibernética do Instituto Gartner, Steve Hawald.
Segundo Costa, a Sala de Monitoramento e o software Módulo Risk Manager permitiram um controle do que estava acontecendo em todo o evento. “O sistema fornece uma ideia sistêmica, que é fundamental para que você tenha a gestão mais adequada dos processos e também tenha informações sobre os riscos. Temos grandes eventos pela frente, então é importante mostrar nossa competência técnica e logística em eventos como este,” afirmou.
O uso de tecnologia móvel também foi destaque para gestão rápida e ágil durante o evento. A Módulo desenvolveu cinco aplicativos específicos para tablet e smartphone com o objetivo de munir os organizadores de informações sobre o evento e controle dos riscos.
“O acompanhamento por meio de tablets e smartphones foi fundamental, mais de 300 pessoas das diversas entidades vinculadas à organização do evento puderam acompanhar de perto e em tempo real as ocorrências, permitindo a rápida tomada de decisões”, completa Thompson.
As atividades da Sala ainda continuam na desmobilização do evento, que ocorre durante esta semana.




Exposição



Arquitetos projetam moradias sustentáveis para favelas cariocas

Por Mehane Albuquerque, Redação TN

Foi inaugurada ontem (26/6), no Studio-X, na Praça Tiradentes, Centro do Rio de Janeiro, a exposição Favelacity Exchange, com maquetes e imagens de projetos desenvolvidos para modernizar as favelas cariocas, levando em conta conceitos de sustentabilidade. A mostra traz exemplos de construções que utilizam concreto e tijolos feitos com materiais reciclados, edificações que privilegiam a ventilação e iluminação natural e casas com sistemas de reaproveitamento de água da chuva.
Os projetos foram criados ao longo de um ano por alunos dos cursos de mestrado e de doutorado em arquitetura da universidade suíça ETH Zurich, referência mundial em pesquisa multidisciplicar e educação. Antes, porém, o grupo de arquitetos visitou comunidades carentes cariocas, como a Cidade de Deus, na Zona Oeste, para conhecer a realidade dos moradores, suas relações sociais e as estruturas já existentes.
O objetivo da exposição, segundo Rainer Hehl, diretor de Estudos de Design Urbano da universidade, é apresentar ao Poder Público, às organizações sociais que atuam nesses locais e aos próprios moradores, opções de fácil implementação capazes de melhorar as condições de vida nas favelas.
“As favelas vêm se tornando um importante fator para a inclusão social com uma lógica própria de crescimento. Por isso, analisamos esse novo paradigma e criamos projetos para um desenvolvimento sustentável dessas moradias informais. A ideia da exposição é mostrar tudo isso não só para arquitetos, mas para um público maior que inclui associações de moradores e organizações não governamentais que trabalham nessas regiões para discutir e garantir acesso a informações importantes”, explicou.
No caso da Cidade de Deus, o modelo de moradia sustentável proposto foi a construção de blocos de habitação cooperativa com seis proprietários. As casas podem ser construídas em cima das já existentes, mas de forma que tenham um pátio interno que permita a entrada da luz solar e viabilize a circulação do ar.
"Vimos que já existem iniciativas interessantes no local e propomos um modelo que aproveita a lógica que vem da área para atender ao crescimento da comunidade, mas de forma sustentável", disse.
A exposição Favelacity Exchange estará aberta à visitação até 8 de julho.
*Com informações da Agência Brasil.
Instituição religiosa na Índia recebe prêmio

Por Redação TN / Keya Acharya, IPS

Em um país como a Índia, com desastrosos antecedentes em matéria de microfinanças, uma organização religiosa recebeu o prêmio Ashden 2012 pelas iniciativas para estender empréstimos a agricultores pobres. O prêmio, que consiste no equivalente a US$ 62.238, é concedido a iniciativas energéticas sustentáveis na Grã-Bretanha e no mundo em desenvolvimento. É concedido pelo The Ashden Trust, administrado pela família Sainsbury, fundadora de uma cadeia de supermercados e outras empresas.
O sucesso da organização premiada, Projeto de Desenvolvimento Rural Shri Kshethra Dharmasthala, se deve ao fato de também administrar o antigo e luxuoso templo da localidade de Dharmasthala, no Estado indiano de Karnataka. O principal sacerdote do templo, Veerendra Heggade, que também está à frente do projeto, é reverenciado tanto pelos devotos quanto pelos solicitantes de créditos. “É esta reverência que os leva a pagar os empréstimos que fazem”, explicou o diretor executivo do projeto, L. H. Manjunath. A organização é secular, e dela participam muitos muçulmanos e cristãos, explicou, acrescentando que “Manjunath é símbolo dos pobres, não apenas dos hindus”.
As operações de microfinanças do projeto começaram em 2000, e atualmente faturam US$ 800 milhões. Cerca de 1,8 milhão de famílias de cinco mil aldeias de Karnataka estão cobertas mediante um sistema descentralizado, administrado por uma equipe de aproximadamente sete mil pessoas. Manjunath, que antes esteve à frente de um banco comercial, contou que o projeto percebeu que fazer beneficência não levava melhorias à vida das pessoas. “Então, em 1990, mudamos nossa política e começamos a estender pequenos empréstimos para propostas específicas sobre sustento e desenvolvimento”, afirmou. O Projeto de Desenvolvimento Rural Shri Kshethra Dharmasthala começou formando pequenos “grupos de responsabilidade solidária” de cinco agricultores cada um.
Foi orquestrado um sistema rotativo no qual cada membro trabalhava um dia grátis na terra de outro. “Isto impulsionou o desenvolvimento”, pontuou Manjunath. Também convenceu-se os agricultores a economizarem 20 centavos por semana, destinados a um fundo comum. Em 1995, a organização havia começado a integrar grupos de autoajuda de mulheres. Atualmente, dois terços de sua clientela são mulheres. Um grupo com mais de 4,5 mil jovens camponeses faz parte da rede do projeto, que se estende por 16 distritos de Karnataka, e avalia os pedidos de empréstimos, guia o pagamento dos mesmos e mantém contatos com os clientes.
Heggade é o fiador de empréstimos solicitados em bancos nacionais, que o projeto estende aos clientes, mantendo uma margem de ganho de 4%, e seu prestígio é útil para negociar os melhores juros. Em determinado caso, um importante banco nacional fez um empréstimo com taxa de juros de 6,9%, quando o habitual era de, aproximadamente, 12%.O Projeto de Desenvolvimento Rural empresta a uma taxa entre 9% e 18%, mas tanto seus juros como seus prazos de pagamento são flexíveis. Aproximadamente 20 mil empréstimos foram destinados a sistemas renováveis para atender necessidades de iluminação e combustível, beneficiando cerca de 82,5 mil pessoas.
Antes de receber o primeiro cheque, o cliente deve, obrigatoriamente, depositar em uma conta bancária o equivalente a dois meses de pagamento como garantia. “Nosso ponto forte é criar a capacidade de pagamento de quem solicita um empréstimo”, disse Manjunath. O sucesso do projeto contrasta com os antecedentes dos prestamistas na Índia, principalmente agricultores de áreas rurais que caem na armadilha das dívidas e se suicidam em bandos.
“O microcrédito não pode aliviar realmente a pobreza”, disse Aloysius Fernández, pioneiro das microfinanças na Índia e ex-diretor da organização não governamental Myrada. Fernández, agora chefe de serviços financeiros no governamental Banco Nacional para a Agricultura e o Desenvolvimento Rural, disse que estender créditos aos pobres e extrair capital do “fundo da pirâmide” é um caminho equivocado. “Vi isto funcionar onde há serviços de apoio, mas não de outro modo”, ressaltou.
“O sistema bancário nacional, com suas medidas padrão para empréstimos, não pode ser aplicado a comunidades pobres, que necessitam” que sejam adaptadas a elas, acrescentou Fernández. “Se me perguntarem se a agricultura melhorou graças ao microcrédito, direi que sim, mas não vi aliviar a pobreza”, opinou Fernández. A Índia é um país predominantemente agrícola. Mais de 70% de seus 1,2 bilhão de habitantes ganham o sustento mediante essa atividade.
“A pergunta é se uma organização não governamental deveria funcionar como uma instituição bancária ou estar tirando da pobreza a população rural”, questionou Somnath Naik, do Nagarika Seva Trust, que trabalha na região. Manjunath respondeu que os microcréditos do Projeto de Desenvolvimento Rural têm êxito graças às medidas de geração de capacidade e ao apoio que isso traz consigo. O principal banco de reservas da Índia destacou a exclusão dos serviços bancários que sofre o setor rural, e incentivou os agentes rurais a superarem esta brecha no desenvolvimento dessas populações. “Estamos de acordo com esta política”, disse Manjunath.
Quanto mais rica a família, maior a pegada ecológica

Por Redação TN / EcoD

Se todos os habitantes da Terra tivessem o mesmo estilo de vida do paulistano, seriam necessários dois planetas e meio para sustentar esse padrão de consumo. A avaliação faz parte de um estudo desenvolvido pela WWF e pela Ecossistema Consultoria Ambiental. O levantamento constatou que quanto mais rica é a família, maior é a sua pegada ecológica. A pegada ecológica mede o impacto do estilo de vida sobre os recursos naturais e aponta a área que seria necessária para manter o estilo de vida. Para garantir o padrão, o paulistano precisaria de 4,38 hectares, já o paulista, 3,52 hectares. O planeta tem a oferecer 1,8 hectare por pessoa.
Foram levados em consideração as emissões de CO2, o hábito de comer carne, a moradia, o lazer e o consumo. “Conhecer a pegada não resolve todos os problemas ambientais, mas é um indicador importante do monitoramento dos recursos naturais. Depois do cálculo tem de haver mobilizações para que o consumo seja mais racional e após iniciar a fase de compensação”, ponderou Michael Becker, o coordenador do estudo, ao Estadão.
Caso o mundo não resolva o problema até 2030, seriam necessários dois planetas Terra para sustentar a atividade humana. A biodiversidade também se encontra em uma tendência descendente, a pegada ecológica do planeta Terra, ilustrada como a demanda por recursos naturais, tornou-se insustentável.
Famílias
Para as famílias do estado de São Paulo que ganham até dois salários mínimos é necessário uma área de 1,8 hectare por pessoa. O índice é o mesmo constatado em Gana – um dos países mais vulneráveis do mundo em nível social. Já entre as que têm rendimento de mais de 25 salários mínimos, a área chega a 11,5 hectares por pessoa (nível próximo ao do líder do ranking – os Emirados Árabes, com 10,68).
Segundo o diretor executivo da consultoria, Fabrício de Campos, os brasileiros têm que atentar para o tipo de alimento que consomem. A carne vermelha tem um grande impacto na pegada ecológica, devido a área utilizada para a criação dos animais. A criação de gado representa 0,95 hectare dessa pegada (a média mundial é de 0,21). No levantamento, a agricultura foi responsável por 0,8 hectare, quando a média dos outros países é de 0,59.
MPT defende capacitação de portadores de deficiência para ingresso no mercado do trabalho

Por Redação TN / Carolina Sarres, Agência Brasil

O procurador-geral do Trabalho, Luiz Antônio Camargo Melo, disse que não há capacitação suficiente de jovens e pessoas com deficiência para inserção no mercado de trabalho. Segundo ele, há resistência por parte dos empresários, pois a contratação exige investimento, preparação e adequação em termos de acessibilidade.
Camargo Melo conta que o Ministério Público do Trabalho (MPT) recebe reclamações contra empresas que descumprem leis de cota ou aprendizagem, mas, quando o inquérito é instaurado, esbarra-se em dificuldades como a ausência de pessoas qualificadas para assumir os postos de trabalho. Para o coordenador, o Estado precisa investir para que as empresas tenham condições de abrir postos de trabalho e absorver esse tipo de mão de obra.
“No Brasil, há cerca de 20% de jovens [entre 18 e 24 anos] desempregados. Não podemos correr o risco de ver essa mão de obra perdida. Uma pessoa de 19, 20 anos que não tem colocação profissional vai buscar trabalho de outras formas, muitas delas não recomendadas. Se o jovem não se insere nesse momento, provavelmente não vai ingressar depois. Então, teremos uma geração perdida”, acrescentou o procurador-geral.
De acordo com o consultor da Unidade de Relações de Trabalho da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alberto Borges de Araújo, não se pode dizer de forma generalizada que todo o empresariado tem resistências quanto à contratação de jovens e pessoas com deficiência.
“Temos bons exemplos. No Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial [Senai], implantamos projetos de inclusão e, de lá para cá, já qualificamos para a indústria quase 100 mil pessoas com deficiência. O problema que vemos é a acessibilidade e o avanço de tecnologias para a superação da deficiência. O Senai vem desenvolvendo soluções didáticas para isso”, destacou Araújo.
Para a representante da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), Ana Lúcia Alencastro, a conciliação entre trabalho, estudo e vida familiar continua sendo um dos maiores entraves para a inserção de jovens no mercado de trabalho.
“Admitimos que não atendemos a toda a demanda da juventude. Grande percentual já é responsável pela família. A inserção deve ser digna, não se trata de qualquer tipo de emprego, estamos falando de trabalho decente e diálogo social”, disse.
O procurador-geral do MPT, o consultor da CNI e a representante do MTE participaram da primeira rodada de debates do Seminário sobre Trabalho Decente, realizada hoje (27) em Brasília, com a participação de autoridades, representantes de órgãos que atuam na área e da sociedade civil.
Ainda serão discutidas questões de gênero e raça, da erradicação de trabalho escravo e infantil e do trabalho doméstico.
Jogos metacognitivos para crianças no Planetário da Gávea

Por Mehane Albuquerque, Redação TN

Até o dia 30 de junho, crianças até 12 anos poderão conhecer a Estação do Futuro, com jogos metacognitivos desenvolvidos pelo NCE-UFRJ, disponíveis para a garotada em computadores instalados no Planetário da Gávea. A Estação do Futuro é uma das atrações da Rio+20 e Você, agenda de eventos paralelos à Rio+20 organizada pelo Instituto Humanitare, em parceria com a Fundação Planetário. Os jogos são fruto dos trabalhos de professores e alunos de Educação Digital do NCE-UFRJ e têm o objetivo de melhorar a qualidade da educação, acelerando o processo de aquisição de conhecimento de crianças e adolescentes. A entrada é franca.
Os professores Carlo Emmanoel T. de Oliveira e Carla Veronica M. Marques são os responsáveis pelo projeto multidisciplinar que conta principalmente com os alunos dos cursos de Fonoaudiologia, Design, Música e Engenharia. O projeto tem uma característica inédita: é internível, pois além de alunos de graduação, mestrado e doutorado reúne também alunos de ensino médio.
O  patrimônio deixado pelo professor emérito do Instituto de Psicologia da  UFRJ, Franco lo Presti Seminério (400 jogos cognitivos) e a ampla fundamentação teórica deixada por ele e por diversos autores e teóricos da Psicologia Cognitiva e da Neurociência foram os pilares para a construção de novos paradigmas da Educação.
Segundo a professora Carla Veronica, os jogos desenvolvidos com os alunos da UFRJ são artefatos educacionais cientificamente produzidos para a educação básica. Para a professora, a contribuição de Seminério é muito forte, tem vínculo com a  prática transformadora, o que fez com que os alunos em treinamento profissional, em apenas 2,5 meses de curso atingissem altos níveis de produção técnico-científica. Ao construírem os games, os alunos fizeram saltos cognitivos, sendo eles próprios os primeiros beneficiados dos efeitos da educação metacognitiva.


 
 HUGO ZATTERA RECEBE A MEDALHA DO MÉRITO FARROUPILHA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO RIO GRANDE DO SUL
Diretor-presidente da Agrale é reconhecido por sua contribuição para o desenvolvimento do Estado

Caxias do Sul (RS), 28 de junho de 2012 -  Hugo Zattera, diretor-presidente da Agrale, recebeu ontem, dia 27 de junho, a Medalha do Mérito Farroupilha da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, das mãos do deputado Alceu Barbosa Velho, proponente da homenagem.

A cerimônia foi realizada no Plenário 20 de Setembro do Palácio Farroupilha, em Porto Alegre, e integrou a programação do Grande Expediente que homenageou os 50 anos da Agrale S.A.. Os anfitriões da cerimônia foram o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Alexandre Postal; a deputada Marisa Formolo e outros parlamentares. Estiveram presentes membros do conselho de administração, diretoria executiva e representantes dos colaboradores da Agrale, bem como representantes de entidades empresariais e dos trabalhadores e autoridades.

Presidente do Conselho de Administração e diretor-presidente da Agrale S.A. e de suas subsidiárias, Hugo Zattera também exerce o cargo de diretor-presidente da Agritech Lavrale e da Fundituba, bem como membro da diretoria de outras empresas do Grupo Francisco Stedile. O executivo é ainda vice-presidente da Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – e já participou de diversas atividades associativas e sindicais.

Maior láurea do parlamento gaúcho, a Medalha do Mérito Farroupilha foi instituída pela resolução de mesa nº 381, de 13 de dezembro de 1995, com o objetivo de homenagear cidadãos brasileiros ou estrangeiros que, por motivos relevantes, se tornaram merecedores do reconhecimento do parlamento do Estado do Rio Grande do Sul. Já foram distinguidos com este reconhecimento a presidente Dilma Rousseff; o vice-presidente Michel Temer; a ex-ministra Ellen Gracie Northfleet; o ex-ministro Nelson Jobim; o ex-governador Olívio Dutra, e os empresários Clóvis Tramontina e Raul Randon, entre outras ilustres personalidades.

Breve  histórico do homenageado:

Nascido em 23 de março de 1940, Hugo Zattera é de tradicional família de agricultores do município de Caxias do Sul. Filho de Valério Zattera e de Augusta Nichele Zattera é casado com Vera Stedile Zattera, professora universitária e pesquisadora, e possui três filhos.

Graduado em Economia pela Universidade de Caxias do Sul, Zattera começou sua carreira profissional como “office-boy”, no antigo Banco Industrial e Comercial do Sul – Sulbanco - seguindo na atividade no Jornal Pioneiro, na área de publicidade.

Em 1960, ingressou na Kalil Sehbe S.A., na ocasião, importante indústria de confecções da cidade, onde chefiou a área de Recursos Humanos e onde também criou um dos primeiros periódicos de comunicação empresarial, o “Informativo Alfred”. Em seguida, assumiu a gerência da Importadora Auto Nordeste, revenda de automóveis e de pequenos tratores da então novata Agrisa, posteriormente Agrale.

Fundou, juntamente com o seu sogro, Francisco Stedile, e seus cunhados, a Lavrale, tradicional indústria de implementos e revendedora de maquinário agrícola, pioneira na mecanização das pequenas propriedades rurais da serra gaúcha, empresa que vem dirigindo desde a sua fundação em 1969. Essa empresa teve sua denominação alterada para Agritech Lavrale S.A., após a aquisição da fábrica de tratores e motores diesel e da fundição, que o grupo japonês Yanmar mantinha em Indaiatuba, no Estado de São Paulo.

Em 1996, após participar das negociações que conduziram à reestruturação do grupo Francisco Stedile, assumiu a superintendência da Agrale S.A. e conduziu o processo de recuperação e expansão da companhia com sua reestruturação e ampliação das linhas de produtos. Com foco maior na área de veículos, que hoje representa mais de 75% do faturamento da empresa, na internacionalização dos mercados de atuação e, especialmente, na execução de uma política de alianças, que resultaram em importantes acordos de cooperação com companhias como Navistar International, Marcopolo, Zetor, entre outras, liderou a fabricante ao nível de excelência que se encontra atualmente.

   
COL // GMT-5 18h
BRA // GMT-320h
ESP // GMT+201h +1D


ANDRÉS VELÁZQUEZ - México [1.30 horas]
>PLAY  

Ingeniero en Cibernética y Sistemas Computacionales por la Universidad de La Salle de México D.F., es profesor asociado de la facultad de Seguridad en Redes de la University of Advancing Technologies en Phoenix, Arizona, y varios módulos en el Diplomado de Seguridad del Tecnológico de Monterrey. En 2006, creó la empresa MaTTica en México, el primer laboratorio de investigaciones digitales de América Latina, del cual es Fundador y Presidente.
Social Media - Lo que se cocina en Campus Party [1 hora]
>PLAY

En esta charla los campuseros conocerán la receta precisa para convertir a un blog en modelo de negocio innovador, con el caso de "Lo que se cocina en esta casa": un espacio digital en donde se dan primeros auxilios culinarios por streaming y se muestra que todo el mundo puede cocinar. Se enterarán de cómo un negocio de cocina tiene presencia en las redes sociales y cómo pueden entrar las marcas en un espacio digital.
JON MADDOG HALL – USA [1.30 hora]
>PLAY  

Presidente y director ejecutivo de Linux International, desde hace años se dedica a “evangelizar” sobre las ventajas del empleo de este sistema operativo. Hall creó el Greater New Hampshire Linux Users’ Group. Durante sus treinta años de carrera, ha trabajado para numerosas empresas y desempeñado puestos desde programador a director técnico de marketing
Policía - Delitos informáticos [1 hora]
>PLAY

De cara a los nuevos retos que implica el desarrollo de la red, la Dirección de investigación Criminal de la Policía Nacional ha creado el Área Centro Cibernético Policial, el cual tiene como misión velar por la seguridad de la información de la Nación; así como apoyar, soportar e investigar las vulnerabilidades, amenazas, incidentes informáticos y delitos que se deriven de los mismos y que afecten la seguridad de la infraestructura de la información del digital Estado y la ciberseguridad de todos los colombianos.
Surian Mota participa do Campeonato Paranaense de Freefly
 
Com queda livre a 400 km/h, esporte é considerado um dos mais rápidos do mundo
 
Surian “Migalha” Mota
foto Alex Adelmann

 
O paraquedista Surian “Migalha” Mota, patrocinado pela Nicoboco, participa neste sábado (30), a partir das 8h30, do Campeonato Paranaense de Freefly. O evento, que tem entrada franca, acontece no Drago Air Centro Sul de Paraquedismo, localizado no Aeroporto Santana, em Ponta Grossa (PR).
 
Inscrito na categoria pro, o atleta terá de realizar saltos a mais de 12 mil pés de altura, equivalente 3600 metros, numa velocidade de queda livre, que pode chegar a 400 km/h.
 
A pontuação será validada pelos quesitos: heading, proximidade, nível e dificuldade. Como prêmio serão distribuídas medalhas e brindes.
 
Outras informações sobre o atleta são encontradas no site www.nicoboco.com.br.
 
 
Por Emanuelle Oliveira
Jornalista - Mtb 59.151
Prefeito acompanha obras na Rua Guarapuava


  A Prefeitura de Campo Magro em parceria com o Paraná Cidade garantiu a população que utiliza a Rua Guarapuava  no bairro Bom Pastor, uma importante obra de revitalização. A obra compreende a reestruturação viária que abrange terraplanagem, drenagem, base/sub-base, meio-fio, sarjeta, paisagismo, sinalização vertical e pavimentação em paralelepípedo
Fique por dentro, sobre condutas frente a casos de gripe


  O Ministério da Saúde alerta os profissionais de saúde que no dia 22 de junho iniciou o inverno, época em que se intensifica a circulação dos vários subtipos do vírus da influenza, exigindo atenção redobrada para as medidas de vigilância epidemiológica e de assistência apropriadas. Particularmente, é preciso esclarecer bem e implantar as recomendações do Ministério sobre possíveis casos de
Divulgação/Photo&Grafia
Clique na imagem para fazer o Donwload...
Ana Paula e Silvia Helena



 
Brasil vence Cuba diante de público de São Luís (MA)

Seleção Brasileira de handebol fez segundo jogo contra equipe centro-americana
São Luís (MA) - Brasil e Cuba voltaram a se encontrar na segunda partida da série melhor de três programadas para as duas equipes. Depois de passar por Vitória (ES), nesta quarta-feira (27), o ginásio Castelinho, em Sâo Luís (MA) recebeu o duelo que terminou 34 a 24 à favor das brasileiras (15 a 12 no primeiro tempo). Os confrontos fazem parte da preparação da Seleção Feminina de Handebol para os Jogos Olímpicos de Londres. As duas equipes voltam a se enfrentar na capital maranhense na sexta-feira, às 16h

O confronto teve ainda um atrativo a mais para os maranhenses que contaram com a presença das jogadoras Silvia Helena e Ana Paula, nascidas no Estado. O Brasil começou muito bem a partida, trabalhando bastante as jogadas. Ao longo do primeiro tempo, as cubanas conseguiram crescer e criar mais dificuldades para as brasileiras e, com isso, o placar também ficou mais justo e foi finalizado em 15 a 12 na primeira etapa.

No segundo tempo, pouco a pouco, as brasileiras conseguiram encaixar melhor as jogadas, impedindo também os contra-ataques cubanos. O placar demonstrou o crescimento da equipe brasileira no jogo e foi concluído com dez gols de vantagem para a equipe da casa: 34 a 24.

Para as duas maranhenses, ter a presença da família e dos amigos na arquibancada foi a melhor coisa da partida. "É um prazer único ter todo o povo maranhense, minha família e amigos torcendo pela gente", confessou Ana Paula. A armadora lembrou que a equipe que irá a Londres será formada por apenas 14 jogadoras, portanto, quatro terão de ser cortadas. "Todas estão dando o máximo de si, tentando fazer o seu melhor para ficar na equipe. Quanto ao jogo, consertamos algumas coisas que erramos anteriormente, mas pecamos em outras. Acho que para uma equipe que está nesta fase, temos ainda que melhorar."

Gols: Brasil - Dara (4), Alexandra (2, Daniela (1), Fernanda (1), Ana Paula (6), Silvia (1), Duda (2), Mayara (4), Jaqueline (1), Deonise (3), Dayane (6), Moniky (1). Cuba - Lizandra (7), Aylink (4), Yenma (1), Ariagne (1), Maricet (2), Nadezza (3), Lizandra Zambia (3) e Milena (2).

Programação

Quinta-feira (28)
10h às 12h - Academia
17h às 19h - treino

Sexta-feira (29)
16h - Brasil x Cuba

Seleção Brasileira

Goleiras - Bárbara Arenhart (Hyppo/Áustria), Chana Masson (Randers HK S/A/Dinamarca), Mayssa Pessoa (Issy Paris Hand/França)

Armadoras-direita - Deonise Cavaleiro (Hyppo), Francine Cararo (Hyppo), Silvia Helena (Toulon/França)

Armadoras-esquerda - Eduarda Amorim, a Duda (Gyori Audi Eto/Hungria), Jaqueline Anastacio (Gjovik/Noruega) e Moniky Karla Novais Bancilon (ADC Metodista/São Bernar do)

Centrais - Ana Paula Rodrigues (Hyppo) e Mayara Fier (Mios Biganos Handball/França)

Pontas-direita - Alexandra Nascimento (Hyppo), Jéssica Quintino (Blumenau/Furb)

Pontas-esquerda - Dayane Pires da Rocha (ADC Metodista/São Bernardo), Fernanda França da Silva (Hyppo), Samira Rocha (Hyppo)

Pivôs - Dani ela Piedade (Hyppo) e Fabiana Diniz, a Dara (Bera Bera/Espanha)

Comissão técnica:
Supervisora: Rita de Cassia Orsi
Técnico: Morten Soubak
Assistente Técnico: Alex Aprile
Preparadores Físicos: César Augusto Parreira
Médico: Leandro Gregorut Lima
Fisioterapeuta: Maria Rita Cardoso Gomes
Psicóloga: Alessandra Dutra
Consultor cientista na área de preparação física: Lars Michalsik
Diretor de Seleções: Vitor Domingos Martinez
Governo Federal confirma estudos para estender duplicação da BR-470 até Rio do Sul
Brasília - DF,


O secretário de Estado da Infraestrutura, Valdir Cobalchini, esperava apenas a confirmação da licitação, até o final do ano, de dois lotes da BR-470, na reunião desta quarta-feira, 27, em Brasília. No encontro com o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, e com o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT, general Jorge Fraxe, Cobalchini obteve dos representantes do Governo Federal a admissão da necessidade de estender a duplicação até o município de Rio do Sul e também de adequar a capacidade, com terceiras pistas e acessos, de Rio do Sul até a BR-116. "Recebemos os estudos do Estado apontando a circulação de 18 mil veículos por dia, e vimos que o trecho opera muito acima de sua capacidade", disse o ministro. 
Outro ponto discutido na reunião foi a ampliação da BR-280. O ministro pediu um estudo de fluxo do Estado para o trecho entre Jaraguá e a BR-116, porque análises do ministério também indicaram a necessidade de aumentar a capacidade da rodovia. Mais decisões para melhorias na rodovia ficaram para uma próxima agenda com a presença do governador Raimundo Colombo, que deve ocorrer na próxima semana. 
O diretor-geral do DNIT, general Jorge Fraxe, autorizou na ocasião o lançamento da licitação do acesso ao aeroporto de Correia Pinto. Pediu ao secretário da Infraestrutura que apenas sejam feitas algumas correções técnicas no projeto. Cobalchini informou que tais modificações devem ser realizadas nos próximos dias. O secretário-executivo da Articulação Nacional, João Matos, acompanhou Valdir Cobalchini, que representou o governador Raimundo Colombo na reunião. 
Na agenda de Brasília desta quarta-feira, o secretário da Educação, Eduardo Deschamps, após o cancelamento do encontro com o ministro da Educação, Aloízio Mercadante, se encontrou com a equipe técnica do ministério para discutir o Plano de Ação Articulada da Educação.

Em evento na Bolsa de Nova York, Richa destaca expansão da Copel

Solenidade marcou os 15 anos de lançamento das ações da Copel no mais importante centro financeiro do mundo. Segundo o governador, a empresa vive um momento de expansão de suas atividades e disputa novos mercados com gigantes do setor elétrico do Brasil. A estatal tem um programa de investimentos que chega a R$ 4,5 bilhões. “A Copel não para de investir”, ressaltou.

Paraná terá R$ 35 milhões para compra de carteiras escolares

aO vice-governador e secretário da Educação, Flávio Arns, acompanhou em Brasília o lançamento do PAC Equipamentos, programa do governo federal que também terá recursos para construção de quadras e aquisição de ônibus escolares. A solenidade foi conduzida pela presidente Dilma Rousseff.

Santa Catarina receberá 134 novos ônibus escolares, 40 coberturas e cinco quadras poliesportivas
Florianópolis,


O secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, assinou nesta quarta-feira, 27, em Brasília, o termo de compromisso para aquisição de 134 ônibus escolares, cinco quadras completas e 40 coberturas de quadras poliesportivas para Santa Catarina. O investimento para o Estado passa dos R$ 37 milhões.

A assinatura foi durante o lançamento do PAC Equipamentos, novo programa de compras governamentais que investirá R$ 8,4 bilhões na aquisição de veículos e mobiliários. A cerimônia foi no Palácio do Planalto, com a presença do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e da presidenta da República, Dilma Rousseff. “O poder de compra do estado brasileiro é um dos instrumentos fundamentais para estimular a nossa economia, para garantir empregos e gerar renda”, declarou Dilma no evento.
De acordo com Deschamps, a melhoria da infraestrutura das escolas é uma importante meta para a atual gestão. “Estamos trabalhando e organizando projetos de captação de recursos junto ao MEC e órgãos financiadores nacionais e internacionais para aplicar em projetos de ampliação e recuperação da infraestrutura das escolas estaduais o mais rapidamente. A construção das coberturas e quadras é importante e irá contribuir com as atividades esportivas dos estudantes”, comenta. As obras devem iniciar ainda este ano, sendo o primeiro passo o processo de licitação.
A meta do Governo Federal é construir 6.116 novas quadras escolares cobertas, além de 4 mil coberturas para quadras já existentes, até 2014, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Para 2012, o investimento previsto por parte do Governo Federal é de cerca de R$ 381 milhões, garantindo a construção de 877 coberturas e 421 novas quadras escolares. Por meio dos programas Caminho da Escola, Educação no Campo (Pronacampo) e Viver sem Limite, serão adquiridos 8.570 novos ônibus escolares, beneficiando alunos da educação no campo e especial.

Audiência com o ministro Aloizio Mercadante

Aproveitando a agenda em Brasília, o secretário da Educação pediu audiência com o ministro Aloizio Mercadante. Buscando o aprimoramento educacional catarinense, Deschamps apresentou ao ministro o Plano de Ações Articuladas (PAR), que reúne informações sobre obras e aquisição de mobiliário e equipamentos para educação, foi finalizado e aguarda as providências administrativas do MEC para elaboração de convênios relativos às ações elencadas. Outro assunto em discussão foi o Ensino Médio Integral (e Inovador), um programa que busca ampliar ao jovem catarinense a possibilidade de formação que contemple também a educação profissional em suas formas de oferta. Para as ações de implantação e implementação é necessário investimentos que garantam a infraestrutura para os espaços educativos, a formação continuada dos professores (fundamental neste processo), a aquisição de materiais pedagógicos e esportivos, como também de mobiliários e equipamentos, a garantia de alimentação adequada, além do transporte escolar. O Programa Alfabetização Idade Certa também estava na pauta. O programa tem como objetivo a formação básica das crianças, adolescentes, jovens e adultos nos itens: I - desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II – foco central na alfabetização ao longo dos (3) três primeiros anos.