terça-feira, 26 de janeiro de 2010



Uma peça reina em absoluto neste verão. A moda aponta para o vestido longo, curtíssimo, estampado, balonê. Enfim, você pode usá-lo a todo momento e ocasião. Mas confira alguns cuidados antes de sair às compras.


"O longo é a grande tendência para o dia-a-dia, desde que usado com rasteirinhas", aconselha a personal stylist Vani. A profissional diz que quando acompanhado com salto alto, o longo deve se restringir a festas de gala.





Para Vani, o verão brasileiro pede os minivestidos. "Eles combinam mais com o estilo sexy da mulher". Mas para não tornar vulgar o modelo sensual, opte por peças mais soltas do corpo.



E atenção, o mini exige cuidados especiais. "A mulher que pretende usar um vestido curto deve estar com as pernas bonitas, depiladas e bronzeadas", diz .



Ao contrário do longo, o curtinho pode ser usado tanto com rasteirinhas como com sapatilhas e, ainda, com salto alto, principalmente se for para freqüentar uma balada. "O minivestido com escarpin fica ótimo para a noite", destaca a personal stylist.



E não se esqueça de abusar do balonê. De acordo com Vani, ele ainda está super em alta.



A versão longuete também não deve ser descartada. "Seguindo o estilo dos anos 50 e 60, esse modelo fica bom com cintos, faixas e todo tipo de calçado. É um vestido elegante, indicado para ser usado no trabalho", explica a personal stylist .



Cores e estampas

Os tons predominantes neste verão, segundo Vani, são o azul, o verde, o amarelo, o roxo e o vermelho. Vani diz ainda que a mulher deve apostar no branco e no preto, as cores, que de acordo com a consultora, ficam para sempre.



Se você quiser optar por uma cor da temporada, sem que a peça seja deixada de lado na próxima estação, Vani dá a dica: "compre a cor do verão que mais combina com o que você já tem no guarda-roupa".



O brilho definitivamente caiu no gosto das brasileiras. "Peças com paetês dourados e prateados são coringas e podem ser usadas até no inverno, acompanhadas por uma pantalona", destaca.



Quanto às estampas, aposta nos florais e também nos desenhos geométricos. Já as imitações de pele de animal, segundo Vani, ainda permanecem no cenário da moda, mas já não são mais tendência.



Um toque especial

Faixas e cintos estão sendo usados sobre vestidos para marcar a silhueta ou simplesmente dar um toque especial à peça. A consultora Vani ensina como usar esses acessórios.

- Para mulheres altas: a faixa deve ser usada próxima à cintura;

- Para as baixinhas: use a faixa ou cinto logo abaixo dos seios, isso dá a impressão que a silhueta foi alongada;

- Para as gordinhas: o melhor é não usar esse tipo de acessório. Dê preferência para os modelos mais soltos do corpo.
Vani atende atraves do endereço eletronico
vani@vanishop.com.br

terça-feira, 19 de janeiro de 2010


Street Dance, Dança de Rua ou Hip Hop, esta dança surgiu com a crise econômica de 1929 nos Estados Unidos, quando muitos dançarinos perderam seus empregos e, por necessidade financeira, foram apresentar seus shows nas ruas. Na década de 60, o estilo sofreu grande influência do Soul – ritmo afro-americano criado e propagado pelo cantor James Brown – e, posteriormente, assimilou a música Disco, o Funk e o Rap.


A Dança de Rua, na forma como é conhecido hoje, nasceu de movimentos urbanos do início da década de 70, nos guetos de Nova York.

Esses movimentos englobavam muito mais do que dança; eles se expressavam através de diferentes manifestações artísticas de música, dança, poesia e pintura.

Por ser muito eclético, a Dança de Rua combina com vários outros estilos. Movimentos de jazz ou da capoeira, por exemplo, podem ser adaptados e enquadrados dentro dos parâmetros da cultura associada à identidade dos negros, que ficou mundialmente conhecida como Hip Hop.

As músicas utilizadas têm batidas fortes e marcantes e os movimentos são sincronizados e precisos. O corpo acompanha a música de acordo com o ritmo: quando a melodia é intensa, os passos ficam mais firmes. Se as batidas diminuem, a coreografia fica mais suave. Valorizam-se as expressões do corpo, mas as faciais são fundamentais para compor uma boa seqüência coreográfica.

Apesar de existir fundamentos técnicos na Dança de Rua, há total liberdade na execução de seus movimentos. Por exemplo: para parar o corpo numa determinada posição não existe um jeito único; cada um pode criar o movimento até atingi-la.

O estilo chegou ao Brasil no final da década de 70 e foi difundido rapidamente, principalmente nas periferias. Isso aconteceu pela necessidade que essas pessoas tinham de expressar uma arte misturada a protesto. No começo de sua propagação no país, a Dança de Rua era praticada somente por homens, mas logo cativou as mulheres e, hoje, muitas delas se dedicam ao gênero.

Os movimentos intrincados, acrobáticos, mas altamente plásticos e harmônicos dos praticantes desse estilo são associados ao Graffitti, com sua colorida expressão artístico-visual, e ao Rap, a trilha sonora que completa o cenário. Esses três elementos juntos fortalecem e proporcionam ainda mais popularidade à Dança de Rua.

Edinho Break tem no Gospel o sonho de contribuir com ações efetivas que ajudasse aos jovens, através da cultura, artes e educação.

Sempre oramos e trabalhamos com muitas expectativas e depois de algum tempo, Deus nos concede a possibilidade de realizar este sonho.

Acreditamos que com o potencial, disposição do grupo e com a direção do Senhor poderemos mais uma vez vencer esta etapa.

Esse projeto social desenvolvido pelo Edinho., prevê o incentivo a cultura e a educação, através de cursos de DJ, grafitagem, street dance, música, além dos cursos de informática e línguas voltados para o mercado de trabalho. “Utilizamos a arte das ruas como apresentação artística deste projeto, a figura do DJ, juntamente com Rapper, a Graffitagem e os B-Boy´s trazem novidade para nossos jovens”, comenta, Coordenador Artístico e Professor desse projeto que segundo ele é voltado não só para a comunidade como para todos que queiram ter mais cultura em sua vida.

Construir o Amanhã de nossos jovens requer o empenho de pessoas sérias envolvidas nesse projeto, o ministério Gospel , a iniciativa privada, juntamente com associações de moradores, outros parceiros , unem forças para conquistar um futuro digno para nossos jovens.


O Grupo nasceu da necessidade dos seus membros em ajudar as comunidades!!! NOSSO OBJETIVO É A INCLUSÃO SÓCIO-CULTURAL DA FAMÍLIA através de palestras, oficinas culturais, cursos e atividades esportivas. Nossa missão é levar para um maior número de pessoas um amanhã, longe da marginalidade e mais próxima da cultura, da educação, do mercado de trabalho e de um futuro com esperanças e sonhos!

E hoje estamos mais além que os nossos próprios sonhos, o projeto tem atendido à várias comunidades , e como nosso projeto tem um perfil que atende as necessidades tantos de jovens, quanto de adultos, temos adotado um modo itinerante, onde podemos estar presentes em várias comunidades ao mesmo tempo, podendo fazer com que uma maior parte da população seja alcançada por todas as atividades realizadas pelo projeto , onde são dadas oficinas de artes, dança, orientações de saúde, psicológica e profissionais, além de atividades culturais e shows de música ao vivo. E você também pode ter o projeto . em seu bairro, entre em contato conosco, para nós será um prazer estar presente em sua região!

Contato

streetdancepopping@hotmail.com