segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Feira do Entardecer movimenta balneário em São Lourenço do Sul

A agroindústria Figueira do Prado, de sucos e doces orgânicos, participa da Feira do Entardecer
A agroindústria Figueira do Prado, de sucos e doces orgânicos, participa da Feira do Entardecer - Foto: Divulgação/Emater RS Download HD (342,00 kB)
Durante a temporada de verão, às margens da Lagoa dos Patos, em São Lourenço do Sul, a Emater RS-Ascar promove a Feira do Entardecer, com exposição de produtos das agroindústrias familiares, do artesanato rural e das floriculturas do interior do município.
A iniciativa é resultado da parceria com a prefeitura, firmada por meio das secretarias do Turismo, Indústria e Comércio e do Desenvolvimento Rural, com participação da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag RS) e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Rio Grande do Sul (Fetraf RS). A Feira do Entardecer acontece no Parque Recanto da Ilha, às sextas-feiras e sábados, das 16h às 21h.
Um dos empreendimentos participantes é a agroindústria Figueira do Prado, de sucos e doces orgânicos, assistida pela Emater RS a partir da fase de legalização. Para a ampliação e a qualificação da atividade, foram buscados recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf Custeio e Investimento), executado pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), e também parcerias com a Embrapa e a Fepagro.
“Graças ao crédito, pude comprar equipamentos que facilitaram minha vida e melhoraram minha produção”, assegurou a proprietária da agroindústria, Mirian Rozane Britto da Costa. Os recursos do Pronaf possibilitaram a compra de maquinários, caminhonete e insumos que deram independência para a produção e estruturaram a agroindústria.
A Figueira do Prado conta ainda com o suporte do Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (Capa), de Pelotas, que trabalha com iniciativas agroecológicas e que ajudou na formação de um grupo de produtores orgânicos no município. Entre os produtos comercializados estão chimias, sucos de frutas tradicionais e típicas da região, como butiá, ananás e araçá.
Atualmente, a agroindústria participa do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), com oferta de doces e sucos para cinco escolas das redes municipal e estadual. Os produtos têm o Selo da Identificação da Participação da Agricultura Familiar (Sipaf). “Antes, era impossível produzir sem o uso de venenos. Hoje, isso mudou. Toda a nossa estrutura melhorou e agora conseguimos dar prioridade para o orgânico”, relatou Mirian.
Texto: Helena Boucinha/Ascom Emater RS, com informações da Ascom Sead
Edição: Sílvia Lago/Secom

Corpo de Bombeiros recebe quadriciclos para atuar no Litoral Sul

Quadriciclos para Litoral Sul
A praia do Cassino terá dois quadriciclos, que serão empregados no transporte de motoaquática, dando mais rapidez a ocorrências de afogamento e acidentes náuticos - Foto: Deivid Pereira, divulgação Download HD (136,00 kB)
O chefe da Casa Civil, Fábio Branco e o subcomandante-geral dos Bombeiros, coronel Evaldo Rodrigues de Oliveira Junior, entregaram neste sábado (10) três quadriciclos para o 3º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul (CBMRS). As viaturas adquiridas pelo governo do Estado vão qualificar o serviço prestado pela corporação nos balneários dos municípios de Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, agilizando a prestação de socorro e as demais atividades executadas pela instituição.

O ato ocorreu na Estação Verão do SESC no Balneário Cassino, em Rio Grande. "É um investimento importante, para qualificar o trabalho dos Bombeiros na Operação Verão e também nas atividades de Defesa Civil", afirmou Branco.

Os veículos são equipados com motor de 570 cilindradas, possibilitando o auxílio em ocorrências de difícil acesso para intervenções dos bombeiros militares. As viaturas contam também com uma série de itens indispensáveis para busca e salvamento, como kits de oxigênio e materiais de atendimento pré-hospitalar.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) adquiriu, ao todo, dez quadriciclos para a utilização nas praias do Litoral Norte e Sul. O investimento total é de de R$ 286 mil.

A praia do Cassino contará com dois quadriciclos, que serão empregados no transporte de motoaquática, dando mais rapidez a ocorrências de afogamento e acidentes náuticos. Outra viatura terá uso compartilhado nas praias do Hermenegildo, em Santa Vitória do Palmar, e da Barra do Chuí.
Texto: Roberto Witter/Ascom Casa Civil
Edição: Léa Aragón/ Secom

Ministério das Relações Exteriores



Nota nº 203
22 de junho de 2017


Eleição do Embaixador Silvio Albuquerque como perito do Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial das Nações Unidas


O Embaixador Silvio José Albuquerque e Silva foi eleito hoje, 22 de junho, para integrar o Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial das Nações Unidas. O mandato do perito brasileiro inicia-se em 1º de janeiro de 2018 e termina em 31 de dezembro de 2021.

O Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial das Nações Unidas (CERD) é composto por peritos independentes, cuja responsabilidade é monitorar a implementação da Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial por seus Estados-Partes.

A eleição ocorreu em Nova York, durante a 27ª Reunião dos Estados-Partes da Convenção Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial das Nações Unidas. Na ocasião, a candidatura brasileira recebeu 107 votos.

O governo brasileiro agradece aos membros das Nações Unidas pelo apoio recebido. A eleição do Embaixador Silvio Albuquerque, cuja trajetória profissional e acadêmica tem ênfase na proteção internacional da pessoa humana, nos direitos sociais e na eliminação da discriminação racial, reflete a credibilidade do Brasil no âmbito do sistema universal de direitos humanos e, em especial, nos temas relativos ao combate ao racismo e à discriminação racial.

Tempo seco favorece colheita do milho que atinge 30% da área cultivada

Informativo Conjuntural
As chuvas ocorridas ainda na segunda quinzena de janeiro não foram suficientes para reverter o quadro de aguda deficiência hídrica - Foto: Taline Schneider/ Imprensa da Emater/RS-Ascar Download HD (2,61 MB)
Com o tempo seco e sem chuva dos últimos dias, a colheita do milho acelerou, alcançando 30% da área cultivada, aproximando-se da média dos últimos anos. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar, os rendimentos apresentam níveis satisfatórios nas áreas ao Norte do estado. Do Centro para o Sul, a situação da lavoura segue em declínio. As chuvas ocorridas ainda na segunda quinzena de janeiro não foram suficientes para reverter o quadro de aguda deficiência hídrica, prejudicando sobremaneira o desenvolvimento das lavouras e atingindo fortemente a fase reprodutiva das plantas, diminuindo assim o potencial produtivo. 
O panorama da cultura da soja não apresentou diferenças significativas em relação à semana passada, com áreas do Norte apresentando bom potencial produtivo, entrando com mais rapidez na maturação. Em contrapartida, áreas do Sul seguem enfrentando problemas em relação à deficiência hídrica que se acentua a cada dia, com as lavouras atingindo o ponto de inviabilizar o retorno a uma condição normal, mesmo que chova a partir de agora. 
Deve-se salientar que, nos últimos anos, a parte Sul do estado teve um incremento muito forte no plantio da oleaginosa. A possível 'quebra' na produção esperada pode ter reflexo negativo, em escala significativa, na produção total do RS. Isso porque as regiões administrativas da Emater/RS-Ascar de Pelotas e Bagé plantam cerca de um milhão de hectares, 18% do total estimado dos 5,5 milhões de hectares cultivados nesta safra. 
O clima continua favorável para o desenvolvimento da cultura do arroz, em que as lavouras semeadas no início do período favorável começam a entrar em maturação, condição essa que alcança 6% da área semeada nesta safra (1,1 milhão de hectares). 
As primeiras colheitas devem iniciar em poucos dias. Até o momento, o potencial produtivo tem se mantido sem alteração. As lavouras, em sua maioria, estão limpas, bem manejadas e com boa disponibilidade de água para irrigação, com algumas exceções na Região da Campanha e do Centro-Sul do estado, onde a estiagem tem se mostrado mais persistente e os mananciais hídricos começam a atingir cotas abaixo do esperado para o momento. 
Se na parte da produção os orizicultores não enfrentam problemas, na comercialização o cenário é distinto. A iminente entrada do arroz desta safra pode pressionar ainda mais as já defasadas cotações do produto, dificultando a comercialização e estreitando as potenciais margens de lucro, quando houver. 
Texto: Taline Schneider/ Imprensa da Emater/RS-Ascar
Edição: Léa Aragón/ Secom
Aumento de roubos impulsiona a procura de seguros de celular

Imagem inline 3

Franquias da Bidon Corretora de Seguros registram aumento de vendas desse serviço em várias regiões do país

De acordo com dados levantados pela Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), os roubos e furtos de celulares segurados em todo o país tiveram um aumento de 64,6% entre 2015 e 2016. O estudo mostrou também que a região que apresentou maior aumento de ocorrências no período foi o Nordeste com 106,8%, seguida da Região Sul, com 73,6% e a Região Sudeste, em terceiro, com aumento de 63%. No ano passado foram 194.523 aparelhos roubos e furtos de celulares segurados.

De acordo com Henrique Mol, diretor executivo da Bidon Corretora de Seguros, a região Sul do Brasil – onde surgiu a rede de franquias - inclusive é uma das que mais sofrem com furtos e roubos de celular, dois dos maiores motivos que fazem com que a procura por esse tipo de serviço aconteça. E sua análise tem fundamento. De acordo com os dados da FenSeg, somente no Sul, em 2016, a quantidade de sinistros avisados nesse perfil de ocorrência foi de 13.443 e o número de apólices ou bilhetes e seguros emitidos foi de 220.577.

É por isso, que a Bidon Corretora de Seguros vem se destacando pela venda de seguros de celular. Os serviços oferecidos pelas franquias da rede nesse perfil, que variam de R$400,00 a R$1.000,00 por ano cobrem basicamente riscos à smartphones, tablets, notebooks, câmeras e filmadoras. “São equipamentos que fazem parte do nosso dia-a-dia, seja como ferramentas de trabalho, entretenimento ou para nos manter conectados aos amigos e aos negócios”, explica Felipe Wichmann, diretor de operações e suporte da Bidon. “São aparelhos portáteis fundamentais na vida de quase todo mundo hoje em dia que estão cada vez mais vulneráveis a riscos do cotidiano”, reforça.

Nada melhor do que números para comprovar o quanto esse produto vem sendo procurado pelo consumidor final nas 70 unidades da rede espalhadas pelo Brasil. Desde o início da marca no franchising – setembro do ano passado – até agora, já foram 120 seguros de aparelhos eletrônicos comercializados pela rede, dos mais variados perfis, nos quatro cantos do país.

“Os planos que oferecemos cobrem situações como roubo, danos físicos ao bem, danos elétricos e danos por água. Esse é nosso grande diferencial no mercado. Além disso, também nos responsabilizamos por assistências técnicas, que é possível contratar”, finaliza Wichmann.

O segurado conta com o benefício do serviço de salvamento de dados até 5gb.
A Descarte Certo realiza a coleta, separação e reciclagem de equipamentos eletrônicos que você não utiliza mais, sem custo e sem agredir o meio ambiente.
A mesma qualidade dos serviços para residência para resolver problemas com seu computador pessoal, notebook, tablet, videogame, TV e celular.
O benefício oferece atendimento telefônico para todo o Brasil e, se necessário, também disponibiliza visita técnica, com mão de obra gratuita para alguns casos.


BIDON CORRETORA DE SEGUROS

A Bidon Corretora de Seguros surgiu em 2010, em Campo Bom, região metropolitana de Porto Alegre (RS), e entrou para o mercado de franchising em Setembro de 2016. Ou seja, é novidade no mercado de franchising, mas com forte atuação e experiência no mercado de seguros. A marca já possui 75 franqueados, pelo sistema home office (modelo de negócio da franquia), e atua comercializando seguros nas áreas de: acidentes pessoais, empresarial, condomínios, responsabilidade civil, risco de engenharia, imobiliário, caminhão, motos, frotas de veículos, e o carro-chefe – seguros de automóveis. Além disso, a Bidon oferece carta verde, consórcios, previdência privada, fiança locatícia, planos odontológicos e de saúde, e seguros de vida (individual e coletivo), residencial e de viagem. E o investimento inicial da Bidon Corretora de Seguros – aproximadamente R$10 mil – é outro grande atrativo da rede. 
Empreendedor vai da falência aos milhões vendendo propaganda em saco de pão

Imagem inline 3

  Com dois sócios, Diego Castro criou a rede PremiaPão, cujo faturamento foi de R$3 milhões em 2016


Fracassar não é sempre um mau negócio. Para empreendedores natos, a experiência adquirida contribui bastante como aprendizado na hora de tentar algo novo, de novo, já que “superar e seguir em frente” está no sangue desse grupo. Diego Castro é exemplo disso, ele viu seu sonho de ter um negócio próprio se tornar pesadelo duas vezes - após ver seus empreendimentos falirem, apesar da angústia, aguardou pacientemente a próxima oportunidade. Atualmente aos 27 anos, pouca idade mas com muita experiência e história pra contar, ele conduz um negócio de sucesso que faturou mais de R$3 milhões em seu primeiro ano de operação.

No caso, a marca que está fazendo sucesso é a PremiaPão. Rede de franquias que promove a venda de propaganda em saquinhos de pão. Criada em Recife (PE), a mesma foi rascunhada em 2015, e em 2016 com o avanço agressivo no universo empresarial, além do faturamento conquistado, em plena era de restauração econômica, superou o número de 140 franqueados e segue com um plano ousado para ser alcançado até dezembro.

De menino sonhador ao empresário de sucesso

Diego que nasceu e mora em Recife (PE), apresentou ainda cedo os primeiros sinais de que possuía espírito empreendedor. Quando criança já vendia seus brinquedos para colegas de classe, e por isso, sempre tinha um dinheirinho no bolso para gastar com lanche e o cinema da semana.

O comportamento era incentivado pelos pais, principalmente pela figura paterna que sempre o preparou para o mercado de trabalho - mesmo que o incentivo viesse de exemplos simples do dia a dia, como a arrumação da casa. Menção que fazia, nitidamente ao contexto: “comportamento bom em casa, comportamento exemplar no trabalho”. E assim foram os dias, até Diego completar 18 anos e ter que escolher um curso para estudar na faculdade.

“Meus pais estudaram administração de empresas e me incentivaram a fazer o mesmo. No primeiro período, eu já estava apaixonado por ele e tinha certeza que estava no lugar certo”, falou o empresário.

Aos 19 anos, surgiu a primeira oportunidade de estágio em uma agência bancária, onde vendia créditos consignados para pensionistas e aposentados. “Aprendi bastante ali. Eram altas metas e curtos prazos”, lembra o jovem. Após essa experiência, várias outras foram surgindo, todas em pequenas e médias empresas. “Porém, em nenhuma consegui me estabelecer por mais de um ano”, explica.

Depois de vários empregos, ele chegou à conclusão (após muita autoanálise) de que não parava em nenhum porque o problema era com ele. Como gosta de dizer: “Não nasci para a estabilidade, e sim, para o risco!”. E aos 23 anos, com a ajuda e incentivo do professor de empreendedorismo, ele começou a rascunhar projetos que imaginava startar. E o sonho de ter o próprio negócio, começou a acompanha-lo desde então.

A partir dai, surgiram duas tentativas de montar uma empresa bem sucedida. A primeira aposta foi em uma paleteria mexicana. “O pai de amigo tinha uma pequena fábrica de picolés, cujo comércio girava apenas em torno do bairro local. Logo identifiquei que este mercado estava em alta, mas ninguém estava trabalhando com a venda deste produto com carrinhos na praia, apenas em lojas. Carrinhos com picolés gourmet na praia seria a revolução, pensei”.

Entusiasmado, Diego começou a planejar o negócio e a coloca-lo em prática. Mas foi impedido de prosseguir por desencontros societários que impossibilitou o progresso do mesmo, levando-o à falência. “Ali aprendi que sociedade é como um casamento, se não houver cumplicidade, dedicação e desejo ardente de fazer dar certo de ambas as partes, o negócio não vai pra frente”, falou.

Triste, porém, esperançoso, o empresário seguia alimentando o sentimento de que seu lugar era no empreendedorismo e só de pensar em voltar para o mercado de trabalho já se sentia angustiado. Ainda na faculdade, com menos de um ano após a primeira tentativa, ele passou a procurar outra oportunidade e sem demora identificou um nicho: “Observei que em cada esquina da cidade existia uma placa de sinalização com uma propaganda acima de grandes empresas locais. Fiquei curioso e fui mais afundo nas pesquisas”, revelou.  

Foi nesse momento que ele visualizou a "mina de ouro”. A cidade de Jaboatão dos Guararapes, vizinha a Recife não tinha esse serviço e seria uma grande possibilidade de iniciar esse projeto por lá.  “Não demorou muito pra eu chegar até a empresa, passei a estudar o negócio. A partir dessa pesquisa consegui todas as informações necessárias para duplicar a ideia com um produto mais barato e mais inovador que a empresa atual. Criei então, a DK Comunicação Visual que trabalhava com postes indicadores de vias públicas”, disse.

O sistema consistia em uma rede de mostradores implantados ao longo dos corredores de trânsito que prestavam serviços de alcance social e turístico informando dia e noite, o nome de ruas, logradouros, pontos de táxi e eram programados tanto para sinalização quanto em campanhas institucionais. Porém, no quarto mês de atividade, a empresa foi impedida de prosseguir devido a uma licitação aberta pela prefeitura no qual não teve participação, e por isso o governo deu exclusividade para outra e, assim, a DK Comunicação Visual foi obrigada a fechar as portas.

“Depois de duas tentativas frustradas, passei a entender que a lição do fracasso é o segredo do sucesso! Tudo que passei me deu conhecimento para ser cada vez mais assertivo e eficaz em meus projetos. Voltei para o mercado de trabalho e o sentimento de insatisfação era gigantesco, em menos de seis meses pedi demissão para mais uma nova jornada”, relatou.

RECOMEÇO

Em meio ao momento de mau agouro, durante um jantar, Diego conheceu o esposo da melhor amiga de sua noiva – Raphael Mattos. E entre uma prosa e outra, o tema empreendedorismo foi se tornando aos poucos o assunto principal da noite. E não demorou muito para que Diego fosse convidado a participar de uma oportunidade de negócio.

Essa oportunidade era de associar-se a uma unidade franqueada de uma rede de publicidade a partir da gestão de Raphael com o sócio Pedro Machado. “Eu nunca tinha visto aquilo na minha vida, unir o saco de pão e agregar valor a ele como um veículo de mídia. Batemos o martelo e expandimos o negócio adquirindo mais uma franquia onde eu atuei de frente na região Sul do Recife. Em menos de um mês, vendi todos os espaços do saquinho e começamos a ter clientes fidelizados e extremamente satisfeitos com nosso trabalho. Principalmente porque estávamos oferecendo serviços que iam além do proposto pela franqueadora, começamos a fazer o pós-venda, mensuração e acompanhamento da mídia, postagens em redes sociais, entre outras. Porém, em contrapartida, nós como franqueados estávamos muito insatisfeitos com a marca que não dava um treinamento de qualidade, suporte adequado, atrasava nos prazos e não estimulava seus investidores”, falou.

Surgiu a PremiaPão


Insatisfeitos, em menos de 10 meses, os amigos pediram distrato com a franqueadora e logo iniciaram o projeto que seria o modelo de negócio mais completo no ramo de publicidade. Brevemente, no fim de 2015, a PremiaPão foi formatada do zero e em 2016 a mesma começou a vender sua marca para interessados (muitos, assim como eles, decepcionados com outras redes e em busca de uma empresa de credibilidade) de muitas regiões próximas, e a necessidade de uma estratégia de expansão para todo o mercado nacional foi antecipada.

Neste momento os sócios já começaram a mergulhar no mundo do marketing digital e, com o respaldo de uma mentoria, se tornaram especialistas no assunto. Com o crescimento acima do esperado, os empresários que trabalhavam em casa e não tinham funções definidas e muito menos funcionários, começaram a se profissionalizar. “Começamos segmentando as funções. Eu já com vasta experiência no setor comercial e vendas fiquei responsável pela estratégia de expansão da franquia, o Raphael com bagagem familiar no franchising e contábil, como diretor financeiro; e o Pedro que tinha uma empresa de publicidade e possuía facilidade de comunicação, se tornou diretor de suporte aos franqueados. Tivemos de contratar um time de empreendedores que de um, passou rapidamente para 10”, fala Diego. 

Sólida e forte no mercado, hoje a PremiaPão conta com mais de 190 unidades, já atingiu praticamente todos os estados brasileiros e gerou um faturamento anual de R$3 milhões em 2016. A meta da empresa agora é fechar o final do ano com 350 franquias e um faturamento acima de R$5 milhões. “Faturamos mais de sete dígitos em 365 dias, foi algo surreal! Jamais tínhamos imaginado chegar tão rápido e nos tornarmos líderes de mercado no segmento que já tinha mais de cinco anos”, conta entusiasmado.

Hoje, a franqueadora tem mais de 3.500.000 saquinhos produzidos, 1.680 empresas divulgadas, R$ 1.160.000,00 em faturamento de anúncios dos derivados dos franqueados e 2.550 padarias beneficiadas recebendo gratuitamente os saquinhos.

Vertentes – Missão

Criada sobre as vertentes: franquia barata, modalidade home based e sustentabilidade, a PremiaPão foi formatada com características que a tornaram única. A rede possui um dos investimentos mais baixos do mercado: R$6 mil para cidades até 100 mil habitantes, R$10 mil para locais de 200 mil habitantes e R$14 mil para municípios de até 300 mil habitantes (retorno é de 2 a 3 meses). E como planejado, o franqueado pode administrar o trabalho em casa.
O conceito de sustentabilidade também foi alcançado e por meio de parcerias. Entre elas, a ONG Iniciativa Verde, que trabalha com reflorestamento através da plantação de mudas de árvores. A cada tiragem de 30 mil saquinhos biodegradáveis produzidos pelos franqueados, a franqueadora planta uma árvore por meio dessa organização.  Atualmente já são mais de 110 árvores plantadas! E os saquinhos mencionados, são inclusive, biodegradáveis. “Desde o início a nossa missão sempre foi poder transformar vidas e realizar sonhos de jovens empreendedores como nós através de uma mídia ecológica e sustentável que beneficiasse de fato a todos da cadeia, desde o meio ambiente ao consumidor final”, fala Diego.

Diferencial

Como diferencial, Raphael propôs uma oferta para agregar ainda mais valor à mídia e que traria mais visibilidade e resultado para o anunciante: sorteio mensal de prêmios de grande expressão, como TV’s, celulares com tecnologia de última geração, IPad’s, entre outros. Nessa dinâmica, o consumidor precisa apenas se inscrever no site para concorrer com o código que está impresso no saquinho. A entrega do brinde sempre acontece na padaria onde o sorteado comprou o alimento (Já foram entregues R$ 35 mil em prêmios).

Aos franqueados, Diego procurou oferecer mais do que o tradicional suporte, ofereceu também uma parceria humanizada. Ele identificou que metas e prêmios são extremamente motivantes para eles, e então, passou a desenhar um plano de carreira e bonificação de acordo com a produtividade de cada um, o que inclui vários prêmios como: cinema, jantar, viagem, Netflix, Spotify, investimento em redes sociais na franquia local, desconto na tiragem e modelo de franqueado máster.

Novo, porém experiente no ramo empresarial, Diego busca de uma forma bem simples passar o que aprendeu ao próximo: “Na jornada desse sucesso, trouxemos um lema que todos os dias faz total sentido em nossas vidas e o duplicamos para nossos franqueados através de uma pulseira que eles recebem assim que efetuam a primeira tiragem. Nela consta a seguinte frase: Sucesso é uma decisão!”, fala o jovem sonhador finalizando ao dizer que, mais recentemente passou a oferecer a outros empresários um programa de mentoria. “Se eu tivesse tido a chance de ter um mentor de negócios quando comecei a minha jornada empreendedora, eu teria chegado mais rápido e muito mais longe com muito menos desperdício de tempo e dinheiro”.

Sobre a PremiaPão Franchising


O modelo de negócio PremiaPão, que está inserido no mercado de publicidade em sacos de pão, passou a ser indicado no seleto grupo das melhores microfranquias para se investir em 2015. É um negócio acessível para quem busca baixo investimento e nenhum capital de giro, além de ser home based e ausente de custo operacional. Tem por objetivo divulgar marcas e produtos diretamente ao público-alvo; sem desperdícios, de forma inovadora e impactante. A empresa decidiu assumir uma grande responsabilidade com o meio ambiente: seu produto de eco-mídia promove o combate ao desperdício e poluição de sacos plásticos e outros materiais de mídia não biodegradáveis. Ainda mais, o maior compromisso com a sustentabilidade vem com a iniciativa de plantar uma árvore nativa para cada produção fornecida aos seus franqueados. Um modelo de negócio sustentável em todos os aspectos, pois capacita e beneficia o franqueado, seus anunciantes, o cliente final e a natureza. Saiba mais: http://www.premiapao.com.br/

Projeto Leite na Escola será desenvolvido também no Mato Grosso do Sul

Programa Leite na Escola
No RS, o projeto atendeu a mais de 60 instituições de ensino públicas na Região Metropolitana de Porto Alegre desde o início, em 2015 - Foto: Henrique Sobrosa/ Ascom Seapi Download HD (101,00 kB)
O Projeto Leite na Escola, desenvolvido pela Câmara Setorial do Leite da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação, vai aproximar o público infantil da realidade da produção leiteira e da indústria de laticínios, além de fomentar a importância do consumo de lácteos para a saúde e ilustrar todas as etapas da produção até chegar à mesa dos consumidores. 
Neste ano, as ações do Leite na Escola atravessam fronteiras e serão desenvolvidas também no Mato Grosso do Sul, na Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). Cerca de 30 mil alunos da primeira à quinta séries do Ensino Fundamental serão contemplados pelas atividades, que contam com a distribuição das duas edições da revista em quadrinhos 'Pedrinho e Lis'. No Rio Grande do Sul, o projeto atendeu a mais de 60 instituições de ensino públicas na grande Porto Alegre desde o início, em 2015.
O projeto dá valor ao aprendizado lúdico e valoriza a leitura, com ferramentas continuadas para o trabalho em casa e em sala de aula.
Em 2017, também ocorreu o 1º Concurso Leite na Escola, que consistia na elaboração de uma escultura de vaca feita somente de embalagens de leite e derivados, com a participação das escolas estaduais contempladas pelo projeto durante o ano.

O concurso contou com mais de 4 mil votos online, além de uma comissão avaliadora durante a 40° Expointer, composta por professores, representantes de associações e técnicos da área. Como prêmio do concurso, a instituição vencedora pôde visitar e conhecer de perto uma indústria de laticínios.
Acessar nos links abaixo as revistinhas do 'Pedrinho e Lis':
Texto: Henrique Sobrosa/ Ascom Seapi
Edição: Léa Aragón/ Secom

CCMQ divulga inscrições homologadas ou não para os teatros Bruno Kiefer e Carlos Carvalho

A Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) torna públicas as inscrições homologadas e não homologadas de apresentações nos teatros Bruno Kiefer e Carlos Carvalho no primeiro semestre de 2018. Todas as informações estão disponíveis no site da CCMQ, no link.
Os projetos com as inscrições não homologadas podem interpor recurso a partir da publicação, até as 23h59min de quarta-feira (14) pelo e-mail chamadapublicaccmqteatros@gmail.com. A divulgação da análise dos recursos será na quinta-feira (15) pelo do site.
Os representantes dos projetos homologados podem defender sua proposta no tempo de 2 minutos, em reunião aberta da Comissão de Avaliação, que ocorre de segunda-feira (19), das 9h30 às 12h, no Teatro Bruno Kiefer (6º andar da CCMQ). A defesa é opcional, não tendo caráter eliminatório nem classificatório.
Mais esclarecimentos pelo e-mail chamadapublicaccmqteatros@gmail.com e do telefone 3226 4825.
CRONOGRAMA
Divulgação dos habilitados: 8/2

Recursos: 12/2/2017 a 14/2/2018

Divulgação dos recursos: 15/2

Análise e Seleção das Propostas: 16 a 20/2

Divulgação dos Selecionados: 21/2 pelo site da CCMQ
Ocupação: A partir de 9/3/2018.

Texto: Ascom CCMQ
Edição: Léa Aragón/ Secom

Empresas gaúchas apresentam produtos em pelo menos 15 feiras internacionais em 2018

Arab Health, em Dubai, encerrou em 1º de fevereiro e contou com a presença de quatro empresas gaúchas
Arab Health, em Dubai, encerrou em 1º de fevereiro e contou com a presença de quatro empresas gaúchas - Foto: Divulgação/Arab Health Download HD (106,00 kB)
Centenas de empresas gaúchas terão oportunidade de divulgar seus produtos e fechar negócios em eventos estratégicos para a economia do Rio Grande do Sul em diferentes continentes. O Programa de Apoio à Participação de Empresas Gaúchas em Feiras Internacionais, coordenado pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sdect), fechou o calendário de feiras para 2018, com confirmação de pelo menos 15 grandes eventos.
Ao longo do ano, ocorrerão feiras e exposições que abrangem os setores coureiro-calçadista, de tecnologias para saúde, vitivinícola, de alimentos e bebidas, metal-mecânico, de vestuário e de tecnologia da informação, entre outros. O apoio do Estado se dá por meio da contratação total ou parcial de estande coletivo para os expositores participarem dos eventos, que recebem a visita de milhares de clientes - potenciais compradores dos produtos gaúchos. Os demais custos - como passagens aéreas e envio de produtos para expor, por exemplo - ficam por conta das entidades proponentes e das empresas participantes.
O Programa de Apoio à Participação de Empresas Gaúchas em Feiras Internacionais incentiva a diversificação e a abertura de novos mercados, promovendo o aumento da competitividade das empresas gaúchas e proporcionando oportunidades de incorporação de novas tecnologias pelos empreendimentos participantes.
De acordo com o coordenador do programa, Leonardo Holznann Neves, algumas feiras representam possibilidade efetiva de fechamento de negócios. Em outras, os expositores podem apresentar seus produtos, difundir suas marcas e prospectar clientes para futuros contratos. “O RS tem vocação exportadora e produtos de alta qualidade que podem ser ofertados em diferentes países. O programa de feiras auxilia a garantir a presença das empresas gaúchas nos locais onde está reunido um público estratégico para os negócios”, avaliou.
De 15 a 18 de janeiro, São Paulo sediou a Couromoda. Ainda nesse mês, o Rio Grande do Sul participou da Feira Arab Health, em Dubai, nos Emirados Árabes, que tratou sobre tecnologias da saúde. Já a IFLS+EICI reuniu segmentos ligados ao couro, em Bogotá, na Colômbia. Só nessas três feiras participaram 55 empresas gaúchas. O próximo grande evento será em março, em Düsseldorf, quando empresas do setor vitivinícola estarão presentes na feira que será realizada na Alemanha.
Confira a relação de feiras em 2018. 
FEIRA
SETOR
DATA
LOCAL
COUROMODA
Coureiro-calçadista
15 a 18 de janeiro
São Paulo/SP
ARAB HEALTH
Tecnologias para Saúde
29 janeiro a 1º fevereiro
Dubai/Emirados Árabes
 IFLS+EICI
Máquinas e Indústria do Couro
30 janeiro a 1º fevereiro
Bogotá/Colômbia
PROWEIN
Vitivinícola
18 a 20 de março
Düsseldorf/Alemanha
VINITALY
Vitivinícola
15 a 18 de abril
Verona/Itália
APAS
Alimentos e Bebidas
7 a 10 de maio
São Paulo/SP
HOSPITALAR
Tecnologias para Saúde
22 a 25 de maio
São Paulo/SP
BIOBRAZIL
Alimentos e Bebidas Orgânicos
6 a 9 de junho
São Paulo/SP
EXPOCACHAÇA
Alambiques
Junho
Belo Horizonte/MG
FRANCAL
Coureiro-calçadista
16 a 19 de julho
São Paulo/SP
FENIN
Vestuário
Julho
São Paulo/SP
GAMESCOM
Games/TI
22 a 26 de agosto
Colônia/Alemanhã
AUTOMECHANIKA
Metal-mecânico
11 a 15 de setembro
Frankfourt/Alemanha
HOSPITALMED
Tecnologias para Saúde
3 a 5 de outubro
Recife/PE
MÉDICA
Tecnologias para Saúde
12 a 15 de novembro
Düsseldorf/Alemanha