quinta-feira, 17 de maio de 2018

Museu do Jardim Botânico mostra a beleza das plantas em ilustrações

Trabalhos de artistas nacionais especializados em reproduzir com ilustrações a beleza das plantas estarão expostos no Museu Botânico, no Jardim Botânico de Curitiba, a partir desta sexta-feira (18/5). A mostra faz parte de um circuito de exposições que acontece simultaneamente em 25 países e é organizada pela Sociedade Americana de Artistas Botânicos (em inglês, American Society for Botanical Artists).
A data de abertura marca a comemoração do Dia Internacional da Arte Botânica. A Worldwide Botanical Art Exhibition – Linking People to Plants Through Contemporary Botanical Art (Exposição Internacional de Arte Botânica – Conectando Pessoas às Plantas Através da Arte Botânica Contemporânea) fica em cartaz até 18 de junho. Além das 60 ilustrações, traz um vídeo com os 40 trabalhos mais significativos de cada país participante.
Haverá mostras na África do Sul, Alemanha, Austrália, Bermudas, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Costa Rica, Escócia, Estados Unidos, França, Holanda, Indonésia, Irlanda, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Reino Unido, Rússia, Tailândia e Ucrânia.
Ao vivo
Durante três dias, de 18 a 20 de maio, os interessados na Arte Botânica também poderão conferir demonstrações dos artistas e participar de oficinas. A programação prevê, ainda, palestras e mesas redondas sobre o tema.

ARTISTAS PARTICIPANTES DA MOSTRA
Alessandro Cândido (PR), Alex Araújo (PA), Alexandre Viana (SC), Álvaro Nunes (GO), Ana Deliberador (PR), Ana Maria Aviotti (RJ), Bibiana Rys (SP), Carmen Fidalgo (SP), Cássia Dias (PR), Cecília Tomasi (SP), Diana Carneiro (PR), Elisabeth Seraphin Prosser (PR), Fátima Bini (PR), Fátima Zagonel (PR) Gustavo Marigo (RJ), Hiroe Sasaki (SP), Isabel Lima e Silva (RJ), Ivone Gradowski (PR), Jamile Elias Dib (GO), Lais Licheski (PR), Laura Montserrat (SP), Lídia Macedo (RJ), Luiz Carlos Berri (RJ), Maria Alice Rezende (RJ), Maria da Penha Passos (PR), Maura Piccoli (PR), Rachel Rosadas (RJ), Rogerio Lupo (SP), Simone Ribeiro (PR), Susana Ferreira de Souza (RJ) e Zenilton Gayoso (DF).

SERVIÇO: EXPOSIÇÃO DE ARTE BOTÂNICA
Local: Museu Botânico do Jardim Botânico de Curitiba (Rua Engenheiro Ostoja Roguski, 690 - Jardim Botânico)
Abertura: 18/5, às 9h
Mostra: de 18/5 a 18/6, das 9h às 16h30
Palestras e oficinas: de 18 a 20/5 (horários abaixo)

PROGRAMAÇÃO
Sexta-feira – 18 de maio
9h – Abertura oficial da mostra
10h – Apresentação do vídeo internacional
11h – Palestra com a artista botânica Maria Alice Resende, do Rio de Janeiro
13h – Mesa redonda com artistas do cenário nacional
15h – Apreciação das obras com depoimento de artistas
Sábado – 19 de maio
Das 9h às 16h30 – Oficina com Álvaro Nunes, de Goiás
Domingo – 20 de maio
Das 9h às 16h30 – Demonstrações com os artistas paranaenses Cássia Dias (técnica com lápis de cor) e Alessandro Câdido (técnica com aquarela)


Casa Hoffmann terá debate sobre dança com o produtor Arnaldo Siqueira


Na busca por examinar as trajetórias e os desafios da dança na cidade, a Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento promove neste sábado (19/5), às 13h, um workshop com o produtor e curador cearense, Arnaldo Siqueira. Com o tema ‘Construindo Cenários de Articulação e Cooperação/Cena CumpliCidades’, a conversa tem duração de 5 horas e a entrada é livre. 
O encontro será pautado na transterritorialidade dos discursos e práticas, de acordo com os novos perfis de dançarinos e de público. Segundo Arnaldo esse debate é necessário sendo que estamos numa época em que as estruturas institucionais e a política social/cultural têm caminhado progressivamente na busca por controlar e gerenciar novas entidades.
Experiência
Arnaldo Siqueira é produtor e curador responsável pela internacionalização de festivais e implantação do curso de dança da UFPE (2008). Foi pesquisador do Rumos Dança (2006-2010), e codiretor do Centro de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas Apolo Hermilo (2005 a 2012) onde idealizou e coordenou projetos de dança como O Solo do Outro (2005 a 2012) e o Dança Contemporânea (2005 a 2010).
Autor de vários artigos e quatro livros sobre dança é também diretor artístico do Festival Cena CumpliCidades e coordena o projeto Cena Educa (2017-2018) de formação técnica e artística. 

Serviço: Arnaldo Siqueira (CE) – Construindo Cenários de Articulação e Cooperação/Cena CumpliCidades
Data: Sábado19 de maio
Horário: das 13h às 18h
Entrada Livre

Mutirão do MEI terá cursos grátis e empreendedorismo nesta quinta

O Salão de Atos do Parque Barigui recebe, nesta quinta-feira (17/5), o Mutirão do MEI, que irá oferecer seminários, consultorias e serviços gratuitos de formalização e capacitação para os 81 mil microempreendedores individuais (MEIs) de Curitiba e aqueles trabalhadores que pretendem abrir um negócio. A ação faz parte da Semana MEI, promovida pela Prefeitura de Curitiba e pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae/PR), e vai até a próxima sexta-feira (18/5).
“O Mutirão do MEI será uma oportunidade para os empreendedores se formalizarem, tirarem dúvidas e também buscarem se capacitar”, destaca Letícia Wolf Moura Justus, coordenadora dos Espaços Empreendedor, unidades da Prefeitura responsáveis por vários serviços gratuitos aos MEIs em Curitiba. Ela lembra que a ação também permitirá às pessoas buscarem informações confiáveis de especialistas para que possam desempenhar as atividades de forma legal, segura e competitiva.
Durante o Mutirão do MEI, que ocorrerá das 8h às 18h, o Salão de Atos do Parque Barigui irá se transformar em um imenso “Espaço Empreendedor” com seminário, em que especialistas do Sebrae/PR e parceiros irão abordar temas como gestão, negócios inovadores, novas tecnologias, organização de finanças e imagem pessoal.
Além disso, todas as equipes dos oitos Espaços Empreendedor da Prefeitura estarão presentes para orientar e ajudar a regularizar o MEI, bem como auxiliar no envio da declaração anual (DASN-Simei). “Por conta do mutirão, todas as unidades, localizadas nas Ruas da Cidadania, estarão fechadas nesta quinta-feira”, salienta Letícia.
Haverá ainda consultorias de especialistas do Sebrae/PR e atendimento com instituições financeiras para apresentação de opções de crédito (Sicredi, Sicoob, Movera e Fomento Paraná) e tira-dúvidas com entidades como Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Finanças (sobre ISS), Secretaria Municipal do Urbanismo, Receita Estadual, INSS e  Conselho Regional de Contabilidade (CRC).
Vale do Pinhão 
Ligadas ao programa Curitiba Empreendedora, da Agência Curitiba, as oito unidades do Espaço Empreendedor da Prefeitura oferecem vários serviços gratuitos, como a formalização ou encerramento do MEI, emissão de alvará e realização da declaração anual. As pessoas podem ainda obter informações contábeis sobre a empresa, como débitos em aberto e formas de quitação.
O atendimento é feito por meio de um termo de cooperação técnica com o Sebrae/PR, que também oferece consultorias de seus profissionais na gestão do negócio. Em 2017, as unidades realizaram cerca de 130 mil atendimentos para empreendedores e pessoas interessadas em abrir o próprio negócio.
Todas as unidades estão passando por modernizações dentro do conceito do Vale do Pinhão, o movimento de todas as áreas da Prefeitura e do ecossistema de inovação da cidade para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país. Assim, empreendedores estão sendo capacitados a compartilhar ideias, a usar a tecnologia como aliada do crescimento e a apostar na economia criativa e colaborativa como estratégia de desenvolvimento.
As equipes participam ainda de programas de capacitação para atender a população. Como resultado, a unidade da Fazendinha conquistou, no dia 9 de maio, o Selo Bronze de Atendimento Sebrae/PR 2017. O objetivo do selo estadual é reconhecer as unidades de todo o Paraná pelo desempenho e qualidade de atendimento aos MEIs.

Serviço: Mutirão do MEI
Data: quinta-feira (17/5)
Local: Salão de Atos do Parque Barigui (Alameda Ecológica Burle Marx, S/N, Santo Inácio)

PROGRAMAÇÃO
8h às 9h – Credenciamento
9h às 11h45 – Seminário I: Espaço Empreendedor, onde Nasce o MEI, Tecnologias Emergentes, Cenários e Oportunidades, Como Nascem os Negócios Inovadores” e Gestão de Tarefas: Como Organizar sua Agenda e Ganhar Tempo.
13h30 às 15h30 – Seminário II: Microempreendedor – Macro Comprometimento e Cuide das suas Finanças e Avance Você!
15h45 às 18h – Oficina O Poder de Imagem Pessoal Para o seu Negócio”.
9h às 18h – Atendimento presencial: Espaços Empreendedor da Prefeitura, Consultoria de Gestão do Sebrae/PR, Previdência  Social, Receita Estadual, Vigilância Sanitária, Instituições Financeiras, Secretaria Municipal de Finanças, Secretaria Municipal de Urbanismo e Conselho Regional de Contabilidade (CRC).
 
Toda a programação do Mutirão é gratuita. As inscrições para participar da ação podem ser feita no site da Agência Curitiba, mas os MEIs poderão ir diretamente ao evento.

Cruzamento das ruas Nilo Peçanha e Orestes Beltrami ganha semáforo

O cruzamento das ruas Nilo Peçanha e Orestes Beltrami, no São Lourenço, vai ganhar um semáforo. O objetivo é facilitar a travessia dos pedestres nesse trecho da Nilo Peçanha, além da conversão de veículos para essa via.
A nova sinalização faz parte das adequações previstas pela Superintendência de Trânsito (Setran) para o binário Mateus Leme-Nilo Peçanha, em funcionamento desde o final de novembro passado. “Assim a Prefeitura atende à reivindicação de quem circula pelo trecho com frequência”, observa a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella.
A instalação do conjunto semafórico deverá ficar pronta até o próximo mês e tem investimento de aproximadamente R$ 115 mil. Para que os usuários se habituem com a novidade, placas de alerta serão colocadas nas quadras que antecedem o trecho sinalizado.
Além disso, para chamar a atenção de motoristas e pedestres, o equipamento ficará piscando (em alerta) nos primeiros dias depois de implantado, para só então entrar em operação.
Adequações
Entre as adequações implantadas após o início de funcionamento do binário Nilo Peçanha-Mateus Leme, além do novo semáforo, a Setran baixou o limite de velocidade no trecho, que passou de 60 km/h para 50 km/h.
Agentes de trânsito fazem periódicas fiscalizações da velocidade com radares estáticos (equipamentos com apoio de tripé), para dar mais segurança a pedestres e ciclistas, além de motoristas que precisam cruzar as vias transversais ao binário. 
Também foi executada a pintura da faixa de pedestres no cruzamento da Nilo Peçanha com a Senador Xavier da Silva. E na Mateus Leme, em frente ao Colégio Ernani Vidal, foi instalado um semáforo que entra em funcionamento nos horários de entrada e saída dos estudantes.
Ações educativas para aumentar a conscientização dos motoristas foram feitas no binário por equipes da Escola Pública de Trânsito (EPTran).

Uso de caçambas para remoção de resíduos precisa ser autorizado pela Setran

O serviço de guincho contratado pela Prefeitura está começando a mexer com a rotina das operadoras de caçambas para remoção de resíduos de construções. Cresceu entre as empresas do ramo o número de pedidos de informação e de autorização para trabalharem regularmente nos bairros próximos ao Centro.
Até meados de março, quando o serviço de guincho começou a operar, a média e informações era de dez pedidos mensais. Agora passou para 15 por mês. O motivo do interesse é que os responsáveis não querem ver suas empresas engrossando a estatística da Secretaria Municipal da Defesa Social e Trânsito, que somou 19 caçambas removidas até agora.
As caçambas irregulares deram mais trabalho no Centro. Até o dia 8 de maio, 15 das 19 unidades removidas ficavam na região central. As demais foram localizadas nos bairros São Francisco, Mercês, Cristo Rei e Jardim Botânico.
Do total, 17 não tinham autorização da Superintendência de Trânsito (Setran) - nem feito o recolhimento de taxas. Uma não apresentava identificação e outra foi deixada em local de estacionamento proibido. 
Regularização
A dor de cabeça pode ser evitada se todas as 90 empresas licenciadas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente tiverem autorização da Setran para atender cada demanda.
O documento pode ser obtido por meio do endereço eletrônico uot@setran.curitiba.pr.gov.br. Nele, cada interessado deve informar o local e o período em que a empresa precisará estacionar sua caçamba na calçada (se ela tiver largura suficiente para garantir a passagem de pedestres) ou na rua (em vaga própria para veículos).
Com base nessas informações e também via internet, a Setran envia o boleto com o valor da taxa (R$ 47,65) mais – se for o caso de via com estacionamento regulamentado – o correspondente ao EstaR (R$ 20 por dia).
Feito o pagamento, a empresa envia o comprovante à Setran, que gera a autorização, válida por três dias. Depois disso, caso seja necessária a permanência da caçamba por mais tempo no local, é necessário renovar o pedido e o pagamento das despesas. 
Exigências
A caçamba deve estar identificada com o nome e o telefone da empresa à qual pertence e sinalizada com faixa refletiva, para facilitar a visualização à noite. O ideal é que ela seja colocada na calçada e o mais perto possível do alinhamento predial, para que o trabalho de retirada de resíduos do imóvel não interfira na circulação de pedestres.
Também é necessário que, depois de instalada a caçamba, haja uma sobra de aproximadamente 1,5 metro de calçada para circulação de pedestres. Se isso não for possível, a caçamba deverá ser colocada na rua, em local de estacionamento permitido para veículos.
Mais informações estão disponíveis em:  setran.curitiba.pr.gov.br/servicos/autorizacao-de-cacambas.

Conheça um pouco de Beto Pires, cidadão que mudou o bairro onde viveu

A cidade cresce, se desenvolve para todos os lados, regiões mudam de perfil, mas as praças continuam sendo ponto de encontro dos moradores.
Na CIC, a Praça Eli Ribeiro da Silva estava sendo pouco utilizada, até Beto Pires, como Leônidas Alberto Pires, 55 anos, é mais conhecido, e seus vizinhos resolverem “cuidar” da praça.
Beto Pires, personagem principal desta matéria e da ação de revitalização, acabou morrendo no último fim de semana. Como homenagem à pessoa querida e respeitada que era no bairro, vamos manter a publicação. O exemplo de Beto Pires deve ser conhecido e seguido por mais pessoas de Curitiba.
Segue o material original com a entrevista do morador:
Nos 47 anos que vive na CIC, Beto Pires, como Leônidas Alberto Pires, 55 anos, é mais conhecido, viveu as mudanças do bairro – tendo como vista a Praça Eli Ribeiro da Silva, onde crianças brincam no parquinho, jogam bola na quadra de areia ou basquete num espaço que também é cercado por árvores e dispõe de banquinhos.
Veja também
Anos atrás, de seu posto na janela de casa Leônidas notou que o lugar estava ficando mais vazio – as tardes de domingo já não reuniam muito a molecada. Intrigados, ele e quatro vizinhos decidiram agir.
Pires lembra que a manutenção (roçada, limpeza) da área era feita, mas queriam mais.  “Nós resolvemos melhorar o acabamento de um serviço que já era feito e também contribuir para melhorar a limpeza”, conta ele. “A praça tinha um aspecto feio e abandonado.”
O quinteto começou a fazer os retoques no local, tirar lixo com regularidade (fora dos horários da limpeza pública), mostrou, enfim, cuidado com a área, que fica na mesma rua da Escola Municipal Albert Schweitzer. Coincidência ou não, as crianças começaram a voltar, diz Pires. Hoje em dia, antes e depois das aulas, o parquinho fica lotado de novo.
Morador atrai morador. “Os pais começaram a levar seus filhos para brincar à noite também”, diz Leônidas, reforçando que o local está bem iluminado e seguro.
Hoje, ele mantém o reforça da manutenção da limpeza em dia, recolhe o lixo, retira o mato que cresce na areia, cuida de algumas flores. Ações que para ele merecem atenção constante. “É trabalho de todos os dias.”
“Como cidadãos, temos deveres e responsabilidades”, diz Pires, para quem todo mundo pode dar uma ajuda para melhorar a cidade. “Ainda mais eu, que gosto tanto dessa região.”
Segundo ele, alguns moradores do bairro dizem que ele não deveria cuidar da área como faz, que está é uma obrigação do município. Ele aceita as “críticas”, mas também ouve bastante elogio pela sua atuação na praça.  “Enquanto muitas pessoas reclamam, outras fazem algo”, diz. “Eu não me importo em fazer.”
Serviço
Os serviços municipais podem ser solicitados por todos os moradores por meio da Central 156, que atende pelo telefone e também pelo site.

Exército laranja conta com 423 profissionais para cuidar da limpeza das ruas

Nesta quarta-feira (16/5) é comemorado o Dia do Gari. Todos os dias um exército laranja sai às ruas de Curitiba para manter cidade limpa. São 423 garis que fazem a varrição das ruas e o esgotamento de lixeiras públicas.
Em Curitiba, cada gari percorre, em média, 1,9 quilômetro por dia, varrendo calçadas, sarjetas, canteiros e recolhendo o lixo do cidadão desatento. O serviço é feito nas regiões da cidade que concentram grande fluxo de pessoas, como na área central. 
Os serviços desse batalhão da limpeza são divididos em três turnos: das 7h às 15h, das 15h às 22h e das 22h às 5h. “O trabalho de limpeza é feito quase 24 horas por dia”, explica Marina Ballão, gerente de Limpeza do Departamento de Limpeza Pública da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.
Além dos garis, a limpeza da cidade envolve outros profissionais. De funcionários públicos que administram o serviço ao pessoal da empresa terceirizada são cerca de duas mil pessoas envolvidas nos trabalhos de varrição, limpeza especial e de eventos, feiras livres, rios, lavagem de calçadões, coleta e transporte de resíduos.
Coletas
Jogar lixo nas ruas, ou em qualquer outro lugar, não faz mesmo nenhum sentido para uma cidade que conta com 100% do território atendido por serviços de coletiva de lixo. Além da varrição nas ruas, o departamento de Limpeza Pública tem coletas diferenciadas para cada categoria de resíduos: comum, recicláves, vegetal, tóxicos e entulhos.
Os caminhões da coleta convencional passam de porta em porta recolhendo o lixo domiciliar. Alternados com a coleta convencional, passam os caminhões do Lixo que não é Lixo, programa pioneiro no Brasil de coleta de recicláveis.
A coleta do lixo vegetal e de entulhos (resíduos de jardinagem, caliças, mobiliários inservíveis), em pequena quantidade, deve ser previamente agendada pelo cidadão pelo telefone 156, Central de Atendimento da Prefeitura.
A coleta do lixo tóxico, como pilhas, baterias, tintas, óleo de cozinha e outros materiais com maior potencial de contaminação, é espontânea. O cidadão leva o material diretamente ao caminhão da coleta, devidamente identificado. O caminhão fica, a cada dia, em um dos 21 terminais de ônibus da cidade.
Curitiba tem ainda outro programa pioneiro, o Câmbio Verde, que troca lixo reciclável por alimento nas áreas mais periféricas da cidade.

Memorial Polonês vira cenário de aula para estudantes do Sítio Cercado

A influência e a participação dos imigrantes poloneses na construção de Curitiba foram apresentadas de uma forma especial aos estudantes da Escola Municipal Paulo Rogério Guimarães Esmanhoto, no Sítio Cercado. A turma do 4º ano do ensino fundamental participou, na tarde desta terça-feira (15/5), de uma aula de campo promovida pelo programa Linhas do Conhecimento. A atividade foi no Memorial Polonês, localizado no centro do Bosque do Papa, no Centro Cívico.
A aula de campo serviu para ensinar história e despertar o sentimento de pertencimento dos estudantes que ficaram sensibilizados em ver como estão preservados os elementos da arquitetura e dos costumes do povo europeu.
“É muito bom ter um pedacinho da Polônia aqui em Curitiba. Quem não pode viajar até lá pode ver no parque como são as coisas daquele país”, disse a estudante Laila Duda Gonçalves, de 8 anos, que pela primeira vez visitou o lugar. “É muito longe da minha casa”, contou a menina com admiração.
Museu ao ar livre
Acompanhados da professora regente Simone Góes da Silva, e da professora responsável pelo Linhas do Conhecimento no núcleo regional do Bairro Novo, Priscila Costa, os estudantes conheceram boa parte do museu ao ar livre que abriga sete casas construídas com troncos de pinheiros encaixados, típicas da imigração polonesa.
As casas abrigam um museu de móveis e utensílios domésticos usados pelos imigrantes, a capela de Nossa Senhora de Czestochowa, espaço para eventos e exposições e um quiosque de artesanato. As crianças ficaram surpresas em saber como os imigrantes poloneses precisaram deixar o país para fugir da guerra, de como conseguiram manter sua arte, crenças, e hábitos, mesmo tão distantes de casa.
“Achei incrível esse lugar e nem sonhava que na minha cidade tinha um parque assim tão especial”, disse Victor Inácio de Souza, de 9 anos. Atento aos detalhes da arquitetura, o estudante que é descendente de poloneses, ficou admirado ao descobrir que os troncos usados na construção das casas são originais, transferidos de antigas colônias de imigrantes de Araucária e São José dos Pinhais, na região metropolitana.
“Eles tinham boas estratégias para se proteger do frio, como construir as casas mais altas do chão e fazer respiros na parte de baixo das paredes para poder manter as portas das casas fechadas e evitar o vento gelado”, disse o estudante.
Pontos turísticos
No trajeto de 32 quilômetros entre a escola - localizada no extremo sul da cidade, na regional Bairro Novo - até o Memorial Polonês, vizinho ao Museu Oscar Niemeyer, os estudantes puderam aprender sobre outros pontos turísticos da cidade, como os palácios 29 de Março e das Araucárias, sedes da Prefeitura de Curitiba e Governo do Estado.
Pelo caminho também viram as praças Nossa Senhora de Salete e Dezenove de Dezembro, além do Shopping Mueller, que ocupa as instalações da antiga metalúrgica da família Mueller, prédio histórico do final do século XIX. “É maravilhosa a oportunidade de usar a cidade como livro vivo da nossa história. O interesse e a participação dos estudantes nas aulas de campo fazem com que eles aprendam melhor”, comentou a professora Simone.
No plano de aula de Simone, a lição iniciada no parque terá sequência em sala, com a realização de um jogo de perguntas e respostas, produção de textos e leituras sobre o tema.  
Serra do Mar
Na quinta-feira (17/5) serão os estudantes da Escola Municipal CEI Maria Augusta Jouve, no Alto Boqueirão, que participarão de uma aula de campo, por meio do Linhas do Conhecimento. A turma vai ampliar o conhecimento sobre educação ambiental em atividades que acontecerão no Mananciais da Serra, dentro do Parque Estadual do Pico do Marumbi, na Serra do Mar.
Linhas do Conhecimento
Idealizado e implantado no ano passado pelo prefeito Rafael Greca, o Linhas do Conhecimento é um programa que transforma pontos da cidade em espaços de aprendizagem. Todas as semanas, centenas de crianças e estudantes participam de aulas de campo diversificadas em parques, museus, teatros e pontos turísticos, nos quatro cantos de Curitiba.
Neste ano, o programa Linhas do Conhecimento já promoveu 123 ações, beneficiando aproximadamente 10 mil estudantes e crianças. No ano passado17,4 mil estudantes e dois mil professores participaram de 606 visitas feitas em 40 espaços da cidade. 

Ideias criativas e inovação dominam temas do segundo dia da Semana MEI


Inovação é uma das palavras mais faladas e lidas atualmente e é praticamente impossível que uma empresa sobreviva sem se preocupar com isso. Os microempreendedores individuais (MEIs) também não podem ficar de fora desta tendência e muitos deles foram ouvir, nesta terça-feira (15/5), as dicas da consultora do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae/PR), Irene Hoffelder Vioti, que falou sobre o tema Inovação – Como Ter Ideias Criativas e Inovar na Prática.
Nesta terça foi o segundo dia de palestras gratuitas da Semana MEI, no Engenho da Inovação, o principal espaço de fomento do Vale do Pinhão. A especialista explicou que um dos grandes desafios para inovar é descobrir a necessidade do cliente e responder prontamente ao desejo dele.
“E aí os MEIs levam uma grande vantagem, pois eles têm uma grande flexibilidade para a mudança de processos. A prospecção de clientes, o envio de propostas e o controle de estoque podem passar por melhorias rápidas que impactarão no resultado”, argumentou Irene.
A consultora do Sebrae/PR observou também que inovar significa achar soluções diferentes para o mesmo problema. “Mas o cliente não é a única fonte de pesquisa. Podem-se descobrir problemas que precisam de soluções inovadoras em qualquer lugar: conversando com pessoas, lendo o jornal ou um livro e abrindo os olhos para o mundo e para as novidades que estão surgindo”, disse.
Irene pediu ainda que os microempreendedores individuais sempre busquem rever seus processos de trabalho e continuamente façam capacitações. “Além disso, se não sabe algo? Questione. Pesquise. Estar sempre em busca de respostas para aquilo que você não sabe tira o empreendedor da zona de conforto”, recomendou ela.
Prestes a se tornar uma MEI, Cristiane Mateus, 43 anos, afirmou que ainda está buscando uma atividade para atuar. “Inicialmente, eu ia trabalhar com roupas e semi joias, mas com as dicas da consultora, vou olhar com mais atenção o que existe de oportunidade”, afirmou Cristiane.
Wilma Makohin, 62 anos, acredita que as orientações dadas por Irene serão importantes para a abertura de sua lanchonete no litoral. “Preciso pensar com cuidado no que vou oferecer e como vou me diferenciar no mercado”, disse ela, que também está vendo a viabilidade de abrir um pequeno ateliê de objetos para jardim na capital.
Mutirão
Promovido pela Prefeitura e o Sebrae/PR, a Semana MEI continua, nesta quarta-feira (16/5), com a palestra Sei Formar Preço, a partir das 14 horas, no Engenho da Inovação. O grande momento da Semana será na quinta-feira (17/5), quando irá ocorrer o Mutirão do MEI.
Das 8h às 18h, o Salão de Atos do Parque Barigui irá se transformar em um imenso Espaço Empreendedor com seminário, em que especialistas do Sebrae/PR e parceiros irão abordar temas como gestão, negócios inovadores, novas tecnologias, organização de finanças e imagem pessoal.
Além disso, durante o mutirão, todas as equipes dos oito Espaços Empreendedor da Prefeitura, que oferecem serviços gratuitos aos microempreendedores individuais, estarão presentes para orientar e ajudar a regularizar o MEI, bem como auxiliar no envio da declaração anual (DASN-SIMEI).
Haverá ainda consultorias de especialistas do Sebrae, atendimento com instituições financeiras para apresentação de opções de crédito (Sicredi, Sicoob, Movera e Fomento Paraná) e tira-dúvidas com entidades como Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Finanças (sobre ISS), Receita Estadual, INSS e Conselho Regional de Contabilidade (CRC).
A semana MEI termina, na sexta-feira (18/5), com a palestra Aprenda a Fazer do Seu Tempo Seu Maior Parceiro.

Programação da Semana MEI
Dia 16 (das 14h às 17h) – Sei Formar Preço – Engenho da Inovação
Dia 17 (das 8h às 18h) – Mutirão do MEI – Salão de Atos do Parque Barigui
Dia 18 (das 14h às 17h) – Aprenda a Fazer do seu Tempo seu Maior Parceiro – Engenho da Inovação

Serviço
Toda a programação da Semana MEI é gratuita. A inscrição para participar das palestras pode ser feita no site da Agência Curitiba, nos oito Espaços Empreendedor ou pelo telefone do Sebrae/PR: 0800-570-0800. Também serão aceitas inscrições no dia da palestra. O Engenho da Inovação fica na Rua Engenheiros Rebouças, 1.732, Rebouças.

SAIBA MAIS
Vale do Pinhão
Idealizado pelo prefeito Rafael Greca, o Vale do Pinhão é o movimento de todas as áreas da Prefeitura e do ecossistema de inovação da cidade para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país. A rede, formada por empreendedores, startups, poder público, universidades, investidores, grandes empresas e o terceiro setor, atua em conjunto para fortalecer o desenvolvimento sustentável e de negócios inovadores da capital.
A sede do Vale do Pinhão é o Engenho da Inovação, no bairro Rebouças, que se transformou em um moderno espaço para estimular a inovação e a criação de novas empresas, através de uma agenda ativa e qualificada de ações que fomentam o networking e a qualificação profissional.

Enfermagem mostra o bom serviço prestado nas unidades da Saúde

Nesta terça-feira (15/5), a equipe da enfermagem da Secretaria Municipal da Saúde se reuniu para trocar experiências e conhecer exemplo de boas práticas aplicadas em toda a rede. O evento, no auditório do Mercado de Orgânicos do Mercado Municipal, abriu as comemorações da Semana da Enfermagem e reuniu cerca de 400 pessoas, somando os períodos da manhã e da tarde.
A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, fez a abertura do evento e saudou a equipe. “Vocês têm meu carinho, minha admiração e meu respeito. Somos líderes de equipe, profissionais aguerridos, que têm o compromisso do cuidado com a nossa população. Tenho orgulho de liderar essa secretaria”, disse Márcia, que também é enfermeira.
A enfermagem representa quase 50% da força de trabalho da secretaria. São 769 enfermeiros e 2.353 técnicos de enfermagem na rede municipal. Em 2017, essa equipe fez 5.936.509 procedimentos de enfermagem. Além disso, foram 913.996 consultas de enfermeiro.
Márcia também destacou a formalização dos responsáveis técnicos de enfermagem nas UPAs, o que regulariza a gestão destas unidades junto ao Conselho Regional de Enfermagem (Coren).
Outro destaque, abordado por Juliana Hencke, coordenadora da Enfermagem da secretaria, foi a elaboração de quase uma dezena de manuais de procedimentos operacionais no último ano, o que permite padronizar protocolos de atendimento.
A mesa de abertura também contou com a diretora do departamento de Atenção Primária à Saúde, Ana Cristina Alegretti; o representante do Conselho Municipal da Saúde, Antônio Brasil; o diretor de urgência e emergência, representando a Fundação de Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (Feaes), Pedro Henrique de Almeida; a enfermeira Karin Madeleine Godarth, da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras (Abenfo-PR); a diretora do Centro de Desenvolvimento de Práticas Profissionais da Associação Brasileira de Enfermagem (Aben), Aline Cecília Pizolato; a conselheira-titular do Coren-PR, Tereza Kindra.
Boas práticas
Os profissionais também trocaram experiências de boas práticas. Pela manhã, o distrito sanitário do Boa Vista mostrou o trabalho desenvolvido com os doentes crônicos pelo grupo Amigos do Pilarzinho, com atividades físicas, de lazer, acompanhamento com enfermagem.
O distrito sanitário da Matriz apresentou o trabalho feito com a população vulnarável na área de abrangência da unidade Capanema, na Vila Torres.
Já o distrito Cajuru inovou ao apresentar uma dramatização sobre os malefícios do cigarro. O teatro é usado como forma de sensibilizar a população na área de abrangência da unidade de saúde Trindade II. 
O distrito de Santa Felicidade mostrou o trabalho de auriculoterapia desenvolvido na unidade Botiatuvinha. Já o distrito da CIC falou sobre o cuidado com o “pé diabético”.
No período da tarde, o distrito do Tatuquara mostrou o que tem feito em relação à saúde da gestante. Já o distrito do Bairro Novo, como a ioga traz repercussão positiva para a qualidade de vida.
O distrito do Boqueirão revelou as ações ações que tem implementado dentro do programa Escute o Seu Coração. O distrito do Portão mostrou a conexão entre o trabalho da atenção básica (posto de saúde) e o Centro de Atenção Psicossocial (Caps).
O distrito sanitário do Pinheirinho abordou a auriculoterapia na atenção primária à saúde para o tratamento de tabagismo e dor crônica.
Nos dois períodos, os participaram assistiram a uma rodada sobre os novos protocolos da “rota de preservação da vida”, adotada na urgência e emergência, para pacientes vítimas de AVC e infarto, garantindo que eles estejam no local certo, no momento certo, para que tenham acesso ao melhor tratamento.
Para finalizar o dia, a palestrante Mirian Midori Garcia encerrou com uma conversa sobre a A Arte de não Adoecer, chamando o público a repensar a forma de encarar a vida no dia a dia.