quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Plantio de árvores ajuda na recuperação ambiental em projeto da Cohab




Famílias reassentadas pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) no bairro Cajuru participaram, no último fim de semana, do projeto “Adote uma árvore”, que faz parte do trabalho ambiental realizado nos programas de reassentamento. Moradores do empreendimento Moradias Irati plantaram 80 mudas de árvores nativas de espécies frutíferas e não frutíferas.
A ação, que aconteceu às margens de um afluente do rio Atuba, deu-se em parceria entre a Cohab, Horto Municipal da Barreirinha e Regional Cajuru, e de acordo com um dos técnicos ambientais do projeto, Vagner Natalício Cypriano de Aguiar, a finalidade é despertar a comunidade para a importância das áreas verdes nas proximidades de casa. “A intenção é ocupar os espaços ociosos sujeitos a destinação de resíduos e sensibilizar a comunidade para o interesse nas áreas verdes”, explica.
O Moradias Irati foi construído para receber famílias transferidas de áreas de risco na vila Acrópole, situada nas proximidades. Vivendo no conjunto desde dezembro de 2014, o coletor de materiais recicláveis Ademar Nunes da Silveira, 42 anos, participou do plantio junto com os filhos. “Achei ótima a ideia de poder ajudar a preservar nossa área. Trabalhei muitos anos na roça e poder lidar com a natureza novamente foi muito bom para mim”, diz.
O plantio contou com espécies de grande porte e nativas do Paraná, como araçá, aroeira, ingá e cerejeira, que segundo o outro técnico ambiental do projeto, Heryck Stanula, são plantas que ajudam significativamente para a recuperação ambiental do local.
A moradora Valquíria Lupe Ramos da Silva, 40, viveu por mais de uma década na beira do rio e, além de colaborar para a atividade, tem incentivado as crianças a cuidarem das árvores. “Já avisei a criançada que se todas elas cuidarem da nossa área, no fim do ano uma delas vai ganhar uma bicicleta que vamos sortear”, conta Valquíria que ainda não sabe de onde virá o presente, mas diz que o estímulo vale a pena. “Acho bom as crianças se interessarem em cuidar do que é deles. Amanhã as árvores crescem e elas vão poder acompanhar isso”, diz. Prova disso é o estudante Alifer José Conrad Silvestre, 11, que assim como os demais, já acatou a ordem. “Temos que cuidar das plantas e não maltratá-las”, conta.
O próximo plantio ainda não tem data marcada, mas será de mudas de porte menor, para embelezarem a fachada das residências.
Acrópole
As ações no Moradias Irati fazem parte do projeto de urbanização da Vila Acrópole, que conta com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e deve beneficiar um total de 1,2 mil famílias. Os recursos aplicados no projeto somam R$ 18,3 milhões, incluindo o empréstimo do BID, no valor de R$ 17,6 milhões e mais a participação do município, por meio do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (FMHIS), com R$ 669,2 mil.
Além do Moradias Irati, outro conjunto está sendo implantado na vizinhança da Vila Acrópole para abrigar famílias em situação de risco. Trata-se do Moradias Alamanda, com 75 unidades, entre casas e sobrados. Os demais 99 reassentamentos previstos no projeto serão efetivados em casas que estão sendo construídas na própria Vila Acrópole, em locais que estavam livres e não têm impedimento para uso habitacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário