sábado, 16 de janeiro de 2016

Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos participa de diálogo sobre crimes de racismo religioso

Evento foi em Valparaíso de Goiás e reuniu lideranças de todo o entorno do Distrito Federal

valparadise.JPG
Motivado pelos recentes crimes praticados contra adeptos de religiões de matriz africana, o governo de Goiás realizou um evento, hoje (16) em Valparaíso de Goiás, para discutir o assunto. O ouvidor nacional da igualdade racial, Carlos Alberto de Souza e Silva Júnior, e a gerente de projetos da secretaria de políticas para comunidades tradicionais, Desireè Tozi participaram do evento.
O ponto central da discussão é que os praticantes das religiões de matriz africana não querem a utilização do termo “tolerados”, que denota aceitação. O grupo luta por respeito, garantia de direitos.
“Não queremos ser tolerados, nós queremos ter respeito”, disse Alexandre de Oxalá. Para ele, o problema é generalizado, e muitas vezes isso acaba minimizando o assunto.
Carlos Alberto lembrou dos casos recentes de violência contra terreiros, no Distrito Federal e em cidades goianas do entorno, e disse que falta entendimento por parte de alguns setores da sociedade para combater esse tipo de crime.
“O que percebemos é o ódio religioso deliberado. Muitas vezes a polícia chega ao local e faz o registro como um simples crime contra o patrimônio. Lutamos para caracterizar como o que realmente é, crimes de racismo com motivação religiosa”.
O pai de santo Antônio de Oxalá criticou a perseguição feita por evangélicos aos seguidores de religiões de matriz africana. Na visão do pai de santo, vive-se uma situação de opressão constante.
“As igrejas ficam ricas e elegem políticos para nos oprimir. Todas as esferas de governo sofrem com esse problema. Ou fazem o que as igrejas querem ou não fazem nada. Eu já alertava para esse problema há 30 anos”.
Estratégia
O grupo decidiu formular um documento para encaminhar ao Governo Federal, ao estado de Goiás e aos municípios do entorno, com ações para combater os crimes com motivação religiosa.
Uma das estratégias é a educação das pessoas que não conhecem a cultura africana, como forma de dirimir os crimes. Outra ação considerada importante pelo grupo é a denúncia, o acompanhamento e a punição dos agressores.
Desireè disse que o governo trabalha para garantir políticas públicas para atender a especificidade de povos como os quilombolas, entre outros. 
“O racismo persiste em todos os cantos, na sociedade, nas delegacias, enfim, em todos os espaços. Vocês tem que nos cobrar e nós temos que cobrar o judiciário para começar a criminalizar e punir os culpados por esse tipo de agressão”.
Carlos Alberto reforçou o papel do Estado de garantir os direitos constitucionais e laicidade em todas as esferas de governo (municipal, estadual e federal).
“O espaço público não é para servir uma religião, seja qual for esta religião. O espaço público é para todos, sem diferenças”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário