quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Collor acusa Janot de ser 'catedrático' em vazar informações

Da Redação
O senador Fernando Collor (PTB-AL) acusou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de vazar para a imprensa informações relativas à Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que tramitavam em segredo de Justiça.
Durante a sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o parlamentar disse que Janot é “catedrático” em vazar informações e lembrou que tal prática é crime previsto no código Penal:
— Quem está dizendo isso não sou eu. No Congresso todos sabem e o ministro do STF, Teori Zavascki, já afirmou que informações foram vazadas pela PGR [...] É o mesmo método que seu antecessor usava e que o senhor vem utilizando — afirmou.
O senador também acusou Janot de ter advogado para uma empresa privada enquanto atuava como subprocurador-geral da República e perguntou se o sabatinado considera isso moralmente aceitável.
Além disso, Collor questionou o aluguel de uma mansão pela Procuradoria-Geral da República no Lago Sul e colocou sob suspeição contratos sem licitação firmados entre o MP e a empresa de comunicação Oficina da Palavra. Ele também quis saber detalhes sobre a nomeação de uma servidora de nível médio para ocupar cargo de nível superior na Assessoria de Cerimonial do Gabinete do Procurador-Geral da República.

Defesa

O procurador Rodrigo Janot negou ter vazado qualquer informação relativa à Lava Jato e disse que logo que foram concluídas as primeiras delações, houve grande agitação da imprensa, com muita especulação.
— Não houve vazamento, mas especulação enorme da imprensa. Alguns veículos de comunicação deram o que chamaram de 'lista do Janot'. Alguns acertaram; outros erraram. O que houve na época foi especulação. Nego portanto que eu seja um vazador contumaz. Sou discreto e não tenho atuação midiática — alegou.
Sobre o aluguel do imóvel no Lago Sul, ele disse que foi apresentado à PGR um alvará falso, com informações erradas da planta do imóvel. Logo que isso foi descoberto, foi cancelado o contrato.
O sabatinado também negou irregularidade na contratação de sua chefe de cerimonial, visto que não existe no país curso superior específico na área, nem exigência legal para tal contratação.
A respeito da contratação da empresa de comunicação, Janot alegou que os contratos foram regulares, com posicionamento favorável do Tribunal de Contas da União, depois que a corte se manifestou sobre a questão a pedido de um deputado. Além disso, trata-se de uma empresa de reconhecida competência, que presta serviços de media training para o Judiciário.
Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário