quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Mulheres negras querem mais espaço napolítica

   
Da Redação | 
Um dia após a Marcha das Mulheres Negras, que reuniu cerca de 30 mil pessoas em Brasília, as participantes da caminhada contra o racismo e a violência cobraram maior protagonismo político e visibilidade durante audiência pública promovida nesta quinta-feira (19) pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH).
O fim do racismo e do sexismo reproduzidos nos veículos de comunicação e a maior participação de negros em cargos de direção de órgãos públicos também foram reivindicações feitas durante o debate.
Segundo Clátia Regina Vieira, coordenadora da Marcha, o conservadorismo do Congresso Nacional impede o avanço de políticas públicas e leis que permitam maior ascensão social dos negros.
— Temos um legislativo hoje que tem em suas ações nos excluído, nos prejudicado e nos deixado à margem. Não vamos mudar a vida das mulheres negras, a vida do povo negro, se não ocuparmos cadeiras no Legislativo —avaliou.
Mesmo sendo maioria da população (52%), os negros também ocupam poucos cargos de direção em empresas e órgãos públicos. A situação das cerca de 50 milhões de mulheres negras é ainda mais complicada, conforme apontou a ouvidora-geral da Defensoria Pública do estado da Bahia, Vilma Reis.
— Nas 50 maiores empresas públicas e de capital misto do Brasil é uma vergonha. Não tem mulher negra nas gerências e diretorias — criticou.

Violência

A Marcha das Mulheres Negras faz parte das comemorações pelo Dia da Consciência Negra, que é celebrado em 20 de novembro, e teve participação de manifestantes de diversas partes do país.
A violência crescente contra essa parcela da população é uma das principais preocupações das militantes. Segundo o Mapa da Violência de 2015, o assassinato de mulheres negras entre 2003 e 2013 aumentou 54,2%.
— Enquanto nós tivermos uma mulher negra vítima de violência não vamos nos calar — garantiu Clátia Regina.

Confronto

Dora Bertulio, da  Fundação Palmares, disse que os veículos de comunicação reforçam uma imagem de que a população negra é subalterna. Sônia Terra, do Instituto da Mulher Negra no estado do Piauí, concordou. Ela lamentou que o confronto ocorrido ontem entre participantes da marcha das mulheres negras com manifestantes pró-impeachment ganhou maior destaque na mídia do que as bandeiras das militantes.
— A visibilidade foi dada pelas balas que nos desestruturam.  A mídia ignora e desrespeita a maioria da população — afirmou.
Dois policiais civis foram presos após o incidente. Pelo menos um dos detidos faz parte do grupo que está acampado em frente ao Congresso e pede a saída da presidente Dilma Rousseff. A senadora Regina Sousa (PT-PI), que presidiu a reunião, cobrou a retirada dos manifestantes.
— São guardiões do Eduardo Cunha e estão ali para intimidar, amedrontar.  Vamos tirar aquele acampamento —disse a parlamentar.
Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário