quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Refinarias canceladas no Nordeste podem ser retomadas no futuro, afirma ministro

 

 

A decisão da Petrobras de cancelar a construção de duas refinarias Premium no Ceará e no Maranhão foi motivada por fatores conjunturais, como a queda do preço do petróleo e crise na estatal provocada pela Operação Lava Jato, mas nada impede que os projetos sejam retomados no futuro. A afirmação foi feita pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, na audiência pública realizada pela comissão externa da Câmara dos Deputados que analisa o cancelamento dos dois investimentos.
No debate encerrado há pouco, o ministro disse que o Brasil precisa ampliar seu parque de refino para atender à demanda, que é crescente no longo prazo. Nesse cenário, segundo ele, as duas refinarias poderão a ser uma opção para a Petrobras.
“As circunstâncias que levaram a Petrobras a suspender [os investimentos] são conjunturais, e não estruturais”, declarou Braga.
Ressarcimento
O ministro acrescentou que os estados devem cobrar da estatal os prejuízos que tiveram com o cancelamento. Os governos do Ceará e do Maranhão entraram como parceiros nos empreendimentos, colocando recursos para terraplanagem, entre outras despesas.
Os contratos assinados pela estatal com as gestões locais permite que a companhia arque com o ônus da implantação das usinas caso seja ela a única responsável pela não efetivação dos projetos.
Durante a audiência de hoje, diversos deputados cobraram o ressarcimento dos cofres estaduais pelos investimentos feitos até a interrupção da construção das usinas.

Reportagem - Janary Júnior
Edição - Marcelo Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário