terça-feira, 30 de junho de 2015

Inimigo íntimo


 
Alguns comportamentos podem indicar quando a criança sofre abuso sexual: conheça-os para evitar o pior.
 
 
Por mais que a sexualidade esteja escancarada na televisão e nas conversas mais cotidianas, a infância reserva uma inocência que um único toque malicioso pode roubar. E deixar marcas para sempre.A realidade é ainda pior para as milhares de crianças que sofrem com o  abuso sexual todos os dias. Como combater esse mal?
 
Medo em Casa
Toda criança ouve dos pais que nao deve aceitar doces de estranhos, mas nem sempre é alertada sobre os perigos do que recebe de mãos amigas.
Segundo uma  pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Forenses e Psicologia Juridica ( Nufor) do Hospital das Clinicas da Universidade de São Paulo, 81% dos abusadores de crianças e adolescentes são da familia.
Os números são resulto de uma análise de 118 casos de abuso sexual acompanhados pelo n~ucleo.
No levantamento, todos os agressores são homens, dos quais 37% padrastos,34% pais e 10% outros parentes
Os desconhecidos somaram 19%. Entre eles, certamente estão pessoas proximas à familia, como amigos e vizinhos.
 
Orientação é tudo
Cabe às familias, desde muito cedo, conversarem com as crianças sobre a importância de cuidarem de seu corpo e preservarem a intimidade.
Nas escolas, deve-se trabalhar com atividades que ensinem autoproteção, evitando falar de abuso sexual, pois são conteúdos que elas não compreendem aconselha a psicologa Yeda Cris de Curitiba
Essas atividades consistem em seguyir quatro passos: discriminar o que não gosta, dizer não ao outro, sair da situação e contar para um adulto em que possa confiar.
O mesmo pode ser trabalhado com crianças mais velhas e adolescentes. " É importantre enconrajá-los a falar, a não guardar segredo sobre essas situações, destaca a Drª Yeda
 
Sinais de problema
 
A linguagem das crianças é muito sutil e seus pedidos de socorro podem ocorrer de forma indireta. Por isso, é preciso observar mudanças repentinas sem causa aparente.
Uma criança que antes era alegre, comunicativa e participativa das atividades com os colegas passa a ficar retraída e nao quer ser tocada. Pode também demonstrar agressividade, raiva e hostilidade, explica a Drª Yeda
Outro ponto que pode levantar suspeita são os comportamentos sexualizados impróprios para a idade, como simular atos com brinquedos ou coleguinhas.
 
Identificação rapida
A psicológa lembra que é muito importante ouvir e dar crédito ao que os filkhos dizem para prevenir os abusos e maus tratos.
Não é facil para os pequenos e os adolescentes relatarem esses fatos, pois eles se sentem culpados, envergonhados e têm medo de nao serem compreendidos pelos mais velhos.
Sempre pergunte ao filho sobre acontecimentos diferentes que possam ter ocorrido e o tenham incomodado. Questione se alguem propos ou abrigou algo a ele e se pediu segredo. Demonstre compreensão, apoio e deixe claro que o filho pode confiar em você. esclare a Drª Yeda
 Uma vez que o abuso tenha acontecido, é importante encaminhar a criança aos orgãos de proteção, para que ela seja colocada a salvo.
Esse encaminhamento deve tambem resultar em acompanhamento psicologico e medico para amenizar as consequências do abuso, avisa a Drª Yeda
Para a especialista, denunciar os culpados pela pedofilia ajuda a criança a compreender que nao teve culpa e que o responsavel ficará longe dela.
A não punição do agressor  pode mostrar para a criança que a sociedade tolera essa prática, que ela pode até reproduzir quando adulta, alerta.
Ainda que para a medicina a pedofilia seja uma doença, para a justiça é crime, que deve ser denunciado e punido.
Pedofilia é  o ato ou a fantasia de ter contato sexual com crianças em idade pré-pubertária.( 13 anos ou menos)
Para ser considerado pedófilo, o agressor tem que ter mais de 16 anos e ser 5 anos mais velho que a vitima.
Quem procura material pornografico com crianças também deve ser inserido neste contéudo.
A denúncia, seja de abuso ou assédio pela internet, pode ser fita em qualquer orgão de policia, no Conselho tutelar, no Ministerio Publico
Se o agressor for o pai ou a mãe que tem a guarda da criança, ela passará para um parente proximo. Jamais se supre o direito de visitas, mas elas podem ser assistidas, ou seja, o menor não poderá mais ficar sozinho com quem o agrediu ou abusou sexualmente,afirma a Drª Yeda
 
Onde denunciar
. Disque 100- ligação anônima ao serviço da Secretaria dos Direitos Humanos da Presidencia da Republica
. Delegacias Civis, Federais e da Mulher
. CPI da Pedofilia - www.todoscontrapedofilia. com.br
. Promotoria de Justiça da Vara da Infância e da Juventude da sua cidade
. Conselho Tutelar da sua cidade ou região
. Safanet - Combate a Pornografia infantil na internet no Brasil site;www.safanet.org.br
 
 
 
foto de Yeda Cristina Diesel
Arquivo pessoal
Psicologa 

Nenhum comentário:

Postar um comentário