Guterres diz que missão da ONU na República Centro-Africana está comprometida com proteção de civis

por ONU Brasil
Forças de paz da missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha na capital do país, Bangui. Foto: ONU/MINUSCA
Forças de paz da missão da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) em patrulha na capital do país, Bangui. Foto: ONU/MINUSCA

Em meio a um recente agravamento da violência na República Centro-Africana (RCA), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse no sábado (17) que se solidariza com o país devastado pela crise, alertando que ataques contra civis e capacetes-azuis da ONU podem representar crimes de guerra.
“O secretário-geral está muito preocupado com o aumento da violência nos últimos dias na República Centro-Africana”, segundo comunicado emitido pelo porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.
Os comentários de Guterres foram feitos após um ataque na quinta-feira (15) em um acampamento para pessoas deslocadas internamente montado na cidade de Alindao, a cerca de 300 quilômetros da capital, Bangui. Ao menos 37 pessoas foram assassinadas. O ataque foi atribuído ao grupo armado UPC (União pela Paz na República Centro-Africana).
Em outro ataque na sexta-feira (16), contra uma base da missão de paz da ONU no país, conhecida como MINUSCA, na cidade de Gbambia, um membro das forças de paz tanzaniano foi morto. Suspeita-se que o ataque foi realizado pelo grupo armado Siriri, segundo comunicado.
Membros das forças de paz da ONU protegiam civis que buscavam refúgio no acampamento conforme o vilarejo de Gbambia era atacado. O capacete-azul tanzaniano foi ferido no ataque e morreu posteriormente por conta dos ferimentos.
“O secretário-geral expressa suas mais profundas condolências às famílias de todas as vítimas, assim como ao governo da República Unida da Tanzânia. Ele se solidariza com o governo e o povo da República Centro-Africana”, segundo comunicado.
O chefe da ONU destacou que ataques contra membros das forças de paz da ONU, assim como contra civis, podem constituir crimes de guerra. Ele pediu para autoridades da República Centro-Africana investigarem os ataques e levarem os responsáveis à Justiça.
“O secretário-geral reitera a determinação da MINUSCA de proteger civis e contribuir para a estabilização da República Centro-Africana”, concluiu em comunicado.
O país luta contra a violência desde que confrontos entre a milícia anti-Balaka, de maioria cristã, e a coalizão rebelde Séléka, de maioria muçulmana, eclodiram em 2012. Embora um acordo de paz tenha sido firmado em janeiro de 2013, rebeldes tomaram Bangui em março daquele ano, forçando o presidente François Bozizé a fugir.
Preocupada com crises de segurança, humanitárias, políticas e de direitos humanos dentro do país e suas implicações para a região, a MINUSCA começou a operar em 2014 sob o Capítulo VII da Carta da ONU.
Tendo a proteção de civis como sua maior prioridade, o Capítulo VII prevê o uso de força — o que significa que, com autoridade do Conselho de Segurança, membros das forças de paz podem responder a atos de agressão de forma semelhante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Governador destaca investimento de R$ 120 mi em Ponta Grossa

Prefeitura começa a instalar lâmpadas de LED em ruas escolhidas pela população