quarta-feira, 20 de abril de 2016

Especialista fala sobre importância das instituições financeiras na promoção do desenvolvimento sustentável
A professora Annelise Vendramini, do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGVCes), defendeu, na audiência pública sobre o novo Código Florestal, a constitucionalidade do artigo 78-A. O dispositivo estabelece que as instituições financeiras só concederão crédito agrícola, em qualquer de suas modalidades, para proprietários de imóveis rurais que estejam inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Para a professora, o comando “está alinhado às políticas públicas e regulações nacionais relacionadas ao papel auxiliar das instituições financeiras na promoção do desenvolvimento sustentável”.
De acordo com Annelise, o CAR é um importante mecanismo para a sociedade, agentes financeiros e econômicos e proprietários rurais, na medida em que consolida uma base com dados e mapas do território brasileiro. O Banco Central do Brasil editou resoluções que buscam regulamentar temas de natureza ambiental que as instituições financeiras devem observar quando concedem crédito. “Questões de natureza social e ambiental representam riscos a serem considerados pelo sistema financeiro brasileiro, seja do ponto de vista de resiliência do sistema, seja do ponto de vista de potencial fonte de instabilidade monetária”.
A especialista informou ainda que este movimento está alinhado às iniciativas internacionais relacionadas ao papel auxiliar das instituições financeiras na promoção do desenvolvimento sustentável. Importantes setores da sociedade assinaram acordo de cooperação para contribuir financeiramente para o avanço deste banco de dados. Além disso, o G20 e Organização das Nações Unidas têm atuado, segundo a professora, no avanço de políticas públicas rumo à chamada economia verde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário