Atividade naval ganha aliado, moderniza setor e garante endereço


foram mais de R$ 1,6 milhões, equipamentos modernos que garantem o aumento da produtividade local (Foto: Arison Jardim/Secom)
Foi mais de R$ 1,6 milhão, equipamentos modernos que garantem o aumento da produtividade local (Foto: Arison Jardim/Secom)
Um setor que vivia à margem do desenvolvimento recebe olhar empreendedor do governo do Estado e apresenta bons resultados para a economia acreana.
Nos últimos anos, mais de R$ 3,7 milhões foram investimentos na atividade naval do Acre, uma categoria antes pouco valorizada, mas de fundamental importância para milhares de ribeirinhos.
Somente em maquinários, foi mais de R$ 1,6 milhão, equipamentos modernos que garantem o aumento da produtividade local, aliando as técnicas tradicionais de fabricação e a eficiência produtiva dos trabalhadores.
“Depois que o governo nos entendeu a mão e a nossa realidade hoje é outra”, diz Jorge Neris (Foto: Jaqueline Teles/Sedens)
“Depois que o governo nos entendeu a mão, nossa realidade hoje é outra”, diz Jorge Neris (Foto: Jaqueline Teles/Sedens)
“Ninguém nunca olhou para nossa classe. Sempre trabalhamos por conta própria, sem nenhum incentivo, até que o governo nos entendeu a mão e a nossa realidade hoje é outra”, pontuou Jorge Neris, presidente da Cooperativa Arte Moderna de Tarauacá.
Em Cruzeiro do Sul, além dos equipamentos, os construtores navais, que antes trabalhavam no bairro da Lagoa, à margem do Rio Juruá, ganharam um Polo Naval.
O empreendimento é formado por quatro galpões voltados para a fabricação de embarcações navais de base madeireira e metálica. No local estão trabalhando 26 empresas, unidas em uma cooperativa, que lidam com construção naval e serviços ligados à área, como mecânica, fundição e tornearia.
“A navegação é parte da história de ocupação da região do Juruá. Os serviços navais são praticados há décadas e estavam dispersos e em locais inadequados. A estruturação do setor com a construção do polo, além de modernizar, deu visibilidade a atividade, aumentando os serviços e a renda dos profissionais”, explica o secretário de Indústria e Comércio, Edvaldo Magalhães.
Equipamentos modernos triplica renda e aumenta demanda
O polo reuniu a categoria, mas o aumento da renda, com certeza, deu-se devido aos modernos maquinários.
José Gomes de Azevedo, o “Véio do Mano”, é um dos mecânicos mais requisitados da cidade. Ele recebeu do governo um torno de 2,25 metros, no valor de R$ 133 mil, máquina que trouxe mais agilidade e melhorou a técnica dos seus serviços.
Com esses novos equipamentos nossa renda mais que triplicou e a demanda aumentou (Foto: Cedida)
Com esses novos equipamentos, nossa renda mais que triplicou e a demanda aumentou (Foto: Cedida)
“Com essa máquina, um serviço que antes levava o dia inteiro para fazer agora é concluído em duas horas. Sem falar dos trabalhos que eu tinha que terceirizar, o que reduzia meu lucro”, admite.
O mecânico, que é especialista em alterar e potencializar motores de embarcações, atende ribeirinhos do Juruá e de municípios do Amazonas, como Ipixuna e Eirunepé.
“Hoje, eu e outros colegas somos procurados por muitas pessoas para realizar serviços que antes não tínhamos condições de fazer porque faltavam equipamentos. Nossa renda mais que triplicou”, comemora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Governador destaca investimento de R$ 120 mi em Ponta Grossa

Prefeitura começa a instalar lâmpadas de LED em ruas escolhidas pela população