quinta-feira, 8 de outubro de 2015

CPI do HSBC quer ouvir Janot e Cardozo sobre investigações

Da Redação |
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga depósitos externos não declarados de brasileiros na filial suíça do banco HSBC aprovou, nesta quinta-feira (8), dois requerimentos para ouvir autoridades da Justiça e do Ministério Público brasileiros.
O primeiro requerimento é de convite ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a prestar depoimento aos parlamentares. Aditamento apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) permite que o procurador indique um representante para comparecer ao Senado. O segundo convite será feito ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.
De acordo com a justificativa do autor do requerimento, o relator da CPI, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), o banco e o governo francês não repassaram quaisquer informações pedidas pela comissão sobre o caso SwissLeaks, como a lista de brasileiros correntistas. Mas, por força do Acordo de Cooperação Judiciária em Matéria Penal entre as duas repúblicas, esses dados foram enviados às autoridades brasileiras. O convite aprovado pede informações sobre os procedimentos adotados até agora.
— Figura-se de suma importância a presença do ministro da Justiça e do procurador-geral da República nesta CPI para que informem quais providências já foram tomadas, que procedimentos adotaram para conduzir as investigações, qual o prazo previsto para conclusão dos trabalhos, entre outras questões relacionadas ao andamento da operação relacionada ao HSBC Private Bank Genebra — justificou Ferraço.
Além dos ministros, também foram convidados para o mesmo fim o procurador da República, Igor Nery Figueiredo; o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal do Brasil, Iágaro Jung Martins; e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra.
A data da oitiva dos convidados será marcada posteriormente. Como são informações complementares, a audiência poderá ocorrer no mesmo dia, frisou o presidente do colegiado, senador Paulo Rocha (PT-PA).
Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário