sábado, 10 de outubro de 2015

Cartão de pagamento vai garantir agilidade para compras e reparos nos hospitais públicos de SC

Foi lançado na manhã desta terça-feira, 6, em Florianópolis, o Cpesc Saúde, cartão de pagamento do Governo do Estado de SC que garantirá maior autonomia financeira aos hospitais administrados pelo Estado, permitindo pequenas compras ou execuções de reparos emergenciais. Cada um dos 13 hospitais públicos recebeu mais de um cartão, de acordo com seu porte e com os serviços prestados (veja relação abaixo). Um hospital de grande porte, por exemplo, receberá R$ 48 mil por bimestre, divididos em diferentes cartões com limites de R$ 8 mil cada um para os diferentes setores da mesma unidade.
Fotos: James Tavares/Secom

"A saúde é prioridade. É preciso ter cada vez mais agilidade e eficiência no serviço público, pois a sociedade exige e merece isso. E não adianta fazer tudo do mesmo jeito e esperar um resultado diferente, é preciso inovar. E esse cartão é um modelo de inovação que garante mais autonomia para os gestores dos hospitais e reduz a burocracia na hora de resolver pequenos ajustes e reparos", destacou o governador Raimundo Colombo.
"É uma medida que vai facilitar e agilizar a solução de pequenos problemas que, se não forem resolvidos imediatamente, podem se transformar em grande problemas", acrescentou o secretário de Estado da Saúde, João Paulo Kleinübing.

O secretário de Estado da Fazenda, Antonio Gavazzoni, lembrou que o modelo é semelhante ao já adotado pelo Governo do Estado em escolas da Secretaria da Educação, nas unidades prisionais da Secretaria da Justiça e Cidadania e nos escritórios regionais da Fundação do Meio Ambiente (Fatma). Em 2014, as 1,1 mil escolas que contam com os cartões utilizaram quase R$ 7 milhões pelo sistema para realizarem pequenas compras e reparos diretamente em suas unidades.
O Cpesc tem a característica de modernização da administração pública porque, além de oportunizar maior autonomia administrativa das unidades que atendem diretamente o cidadão com a realização de pequenos gastos emergenciais, possibilita um maior controle financeiro e uma maior transparência se comparado aos modelos tradicionais de suprimentos de fundos. Além disso, todos os gastos realizados com o Cpesc, após o devido processamento, são disponibilizados pelo órgão, entidade, unidade administrativa e/ou portador no Portal de Transparência do Estado de Santa Catarina.

O modelo
Criado no Estado da Santa Catarina por meio do Decreto nº 1.949, de 19/12/2013, o Cartão de Pagamentos do Estado de Santa Catarina (Cpesc) foi adotado inicialmente no primeiro semestre de 2014 nas unidades escolares administradas pela Secretaria de Estado da Educação, abrangendo aproximadamente 1,1 mil escolas da rede estadual de ensino. No decorrer de 2014 e 2015, foi implantado em outros órgãos e entidades do poder executivo estadual, como nas unidades prisionais administradas pela Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, nas regionais da Fundação do Meio Ambiente (Fatma), em unidades da Secretaria de Estado da Administração, na Procuradoria-Geral do Estado, entre outros.
Os portadores do Cpesc Saúde serão servidores públicos estaduais lotados nas unidades administrativas vinculadas a órgãos e entidades do poder executivo estadual. Sendo assim, no âmbito das escolas, estes pertencem à direção escolar, nos hospitais são vinculados à direção geral ou aos centros de custos correspondentes, já nos presídios e penitenciárias são vinculados à direção penitenciária, por exemplo.
"Essa descentralização de recursos para que a gerência de cada hospital possa resolver as pequenas emergências é muito salutar e importante, garantindo mais autonomia na nossa gestão e agilidade nos serviços", ressaltou a diretora do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, de Joinville, Tânia Eberhardt, uma das que recebeu os cartões no ato desta terça.
Cpesc Saúde
Valores de cada hospital (por bimestre)
- Hospitais de grande porte
Governador Celso Ramos e Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis; Regional Dr. Homero Miranda Gomes e Instituto de Cardiologia, em São José; Hospital e Maternidade Tereza Ramos, em Lages; e Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville.
Cada hospital deste grupo foi subdividido em três centros de custos (geral, centro cirúrgico e emergência ou maternidade, no caso Tereza Ramos) e cada centro terá R$ 8 mil para materiais e R$ 8 mil para serviços por bimestre. Desta forma, o valor total, considerando os três centros, chega a R$ 48 mil por bimestre para cada hospital.
- Hospitais de médio porte
Nereu Ramos e Maternidade Carmela Dutra, em Florianópolis; Dr. Waldomiro Colautti, em Ibirama; Maternidade Dra. Catarina Kuss, em Mafra; Maternidade Darcy Vargas, em Joinville; e Instituto de Psiquiatria, de São José.
Foram subdivididos em dois centros de custos (sendo direção geral e emergência ou centro cirúrgico, no caso do Nereu Ramos) e, da mesma forma, cada um dos centros poderá executar gastos de pequeno vulto ou pequenas emergências, até o limite de R$ 8 mil para materiais e R$ 8 mil para serviços bimestrais. Totalizando R$ 32 mil por bimestre para cada hospital.
O Hospital Santa Teresa, de São Pedro de Alcântara, que não possui unidades de emergência e centro cirúrgico terá direito a dois cartões, sendo um para materiais e outro para contratação de serviços de pequeno vulto, observando os mesmos limites de R$ 8 mil cada, totalizando R$ 16 mil por bimestre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário