sábado, 19 de setembro de 2015

Redecker fala sobre cenário energético do RS para estudantes de Teutônia

Secretário de Minas e Energia salientou a importância da fonte à base de carvão para a matriz energética
Secretário de Minas e Energia salientou a importância da fonte à base de carvão para a matriz energética - Foto: Divulgação/SME
O secretário de Minas e Energia, Lucas Redecker, palestrou para um grupo de estudantes na noite dessa terça-feira (15), em Teutônia, no Vale do Taquari. Ele falou sobre o cenário energético no RS e o papel das energias alternativas, a convite da direção do Colégio Teutônia. A atividade faz parte da programação do 9º Fórum Tecnológico do Leite, que se iniciou na segunda-feira e segue até a sexta-feira (18).
De acordo com o secretário, 66,67% da energia produzida pelo RS provém da fonte hídrica; 11,83% é gerado pela energia eólica, e apenas 9,11% advém do carvão mineral. "Precisamos rediscutir a nossa matriz energética, porque o Rio Grande do Sul possui 90% das reservas de carvão do país, mas produz pouco mais de 9% de energia a base de carvão. Isso é uma incoerência. Precisamos dar um protagonismo maior para o carvão na nossa matriz energética, especialmente pela segurança que essa fonte nos proporciona em tempos de adversidades meteorológicas”, afirmou.
O secretário informou que levará o tema para ser debatido na reunião do Fórum Nacional de Secretários de Minas e Energia, do qual é vice-presidente e cuja reunião ocorre em São Paulo na sexta-feira (18). Ainda sobre o carvão, ressaltou que é preciso deixar de lado o preconceito em relação a danos ambientais, pois há muito essa matéria-prima deixou de ser poluente devido às tecnologias disponíveis.
O secretário anunciou que, entre os projetos e ações estratégicas imediatas para a retomada do desenvolvimento energético, estão a elaboração do Plano Energético para os próximos 10 anos, o Programa Estadual do Biometano (em andamento), a reativação do Comitê de Planejamento Energético do RS (Copergs), que já está em funcionamento, e a institucionalização do Comitê de Planejamento de Mineração do RS.
Entre as metas, estão também a elaboração do Atlas Solarimétrico, bem como a criação de um programa para levar energia trifásica para aos agricultores, entre outros. “O Rio Grande do Sul tem que ser o agente que não atrapalhe e não espante o investidor. Muitas vezes acabamos, pela nossa morosidade, incentivando investimentos em outros Estados. Precisamos mudar essa realidade", afirmou.
Além de estudantes do Colégio Teutônia, participaram também alunos da Escola Estadual Reinaldo Augustin.
Texto: Ascom/SME
Edição: Cristina Lac/Secom

Nenhum comentário:

Postar um comentário