terça-feira, 4 de agosto de 2015

Atendimento da Unidade Básica de Saúde da Penitenciária de Rio Grande é piloto em projeto do SUS





A Unidade Básica de Saúde da Penitenciária Estadual do Rio Grande (PERG) foi indicada para ser o 'piloto' na implantação do e-SUS no sistema prisional do Estado. A partir do mês de maio de 2015, efetivou-se a implantação do sistema e-SUS na Unidade Básica de Saúde Prisional (UBSP), que é considerado o serviço pioneiro entre as casas prisionais.  A indicação se deu a partir da pactuação de 2014, pelo Grupo Condutor da Política Estadual de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional.
O diretor da PERG, Roni Porciúncula, destaca que o trabalho do médico e diretor técnico da UBS, Edilon Talaier, tem sido cada vez mais efetivo no controle e tratamento de doenças afins da cadeia. “Toda a equipe da UBSP, além dos técnicos, agentes penitenciários e agentes penitenciários administrativos tornam os índices cada vez mais altos de eficiência e produtividade nesta parceria que mantemos com os governos federal, estadual e municipal”, disse o diretor.

E-SUS
O sistema e-SUS contribui na sistematização, organização e controle dos atendimentos de saúde prestados na atenção básica. Facilita a identificação do perfil epidemiológico, bem como no levantamento do diagnóstico de saúde da população local, a fim de encontrar estratégias de promoção, prevenção, tratamento e reabilitação à saúde com qualidade do cuidado às pessoas privadas de liberdade do município. O sistema e-SUS representa uma ferramenta inovadora de trabalho.
Essa estratégia é parte do trabalho da Secretaria Municipal da Saúde, no cuidado à saúde da população de Rio Grande. Oferecer um serviço de saúde de qualidade às pessoas privadas de liberdade é uma forma de garantir a prevenção e o controle de doenças à comunidade em geral. Uma vez que a maioria dos (as) apenados (as) mantém constantemente contato com a população externa, através de seus familiares, durante as visitas, o que se constitui em meio de propagar as doenças do interior do presídio para o meio externo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário