quarta-feira, 1 de julho de 2015

Plenário abre nova sessão extraordinária e pode votar mudança no FGTS

 

 

A sessão extraordinária do Plenário da manhã de hoje foi encerrada e, em seguida, foi aberta nova sessão com a mesma pauta de votações. Uma reunião de líderes, marcada para as 14 horas, deverá definir os itens que serão analisados. Entre as propostas que poderão ser votadas hoje está o Projeto de Lei 1358/15, que muda o índice de correção do FGTS - a proposta teve urgência aprovada ontem.
O projeto é de autoria dos deputados Paulo Pereira da Silva (SD-SP), Leonardo Picciani (PMDB-RJ) e Mendonça Filho (DEM-PE). Segundo eles, a mudança vai aumentar em 100% os ganhos do trabalhador. “Não acho justo que os trabalhadores tenham sua poupança como fonte de subsídios do governo”, disse Mendonça Filho, líder do DEM.
Hoje, a correção é feita com base na taxa referencial (TR), em torno de 0,10% ao mês, mais juros de 3% ao ano. Pelo projeto, os depósitos efetuados a partir de 1º de janeiro de 2016 serão corrigidos pela TR mais 0,5% ao mês, quando a taxa Selic for superior a 8,5% (atualmente essa taxa está em 13,75%). Quando os juros forem inferiores a 8,5%, a correção será da TR acrescida de 70% da taxa Selic. É o mesmo cálculo aplicado hoje às cadernetas de poupança.
Ciência e Tecnologia
Também está na pauta de hoje do Plenário o PL 2177/11, que cria o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. O código simplifica o processo de contratação e de financiamento de pesquisa científica, estabelecendo parcerias entre institutos de pesquisa e empresas privadas.
O projeto prioriza as regiões menos desenvolvidas do País e a Amazônia, por meio de projetos de estímulo ao desenvolvimento da Zona Franca de Manaus, além de investimentos em pesquisas para desenvolvimento da indústria de defesa nacional e da plataforma continental.
Deficiência
Já o Projeto de Lei 1163/15, do deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), cria a curatela compartilhada de pais separados no caso de filhos maiores que tenham deficiência física grave ou deficiência mental.
Por meio da curatela, o juiz determina quem vai cuidar de uma pessoa incapacitada e de seus bens.
Servidores
Também pode ser votado o Projeto de Resolução 57/15, da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, com a regulamentação da carga horária de 40 horas semanais para servidores em Comissão de Natureza Especial (CNE).
Pelo texto, o parlamentar poderá dispensar os CNEs do registro de ponto biométrico, que seria substituído por folha de ponto diária entregue ao Departamento Pessoal.
Reforma política
Está na pauta ainda a proposta de reforma política (PEC 182/07), que precisa ser votada em segundo turno. Havia acordo de líderes para votar o texto na próxima semana, mas a decisão final será dada na reunião das 14 horas.
Reportagem - Noéli Nobre
Edição - Daniella Cronemberger

Nenhum comentário:

Postar um comentário