quarta-feira, 24 de junho de 2015

Sine mantém índice de ocupação de vagas de emprego em Minas

Dados do Sistema Nacional de Emprego comprovam encaminhamento ao mercado de trabalho
Nos cinco primeiros meses do ano, mais de 200 mil trabalhadores foram recolocados no mercado de trabalho por meio do Portal Mais Emprego, para atender uma oferta de 700 mil vagas, em todo o país. Em Minas foram ofertadas 33.555 vagas, das quais 11.694 foram preenchidas. Em 2014, no mesmo período, foram oferecidos 68.493 postos de trabalho com o preenchimento de 21.195 vagas.
Percentualmente, a relação entre as vagas ofertadas e preenchidas teve uma ligeira elevação. Em 2014, os postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine) colocaram 30,94% das pessoas nos postos de trabalho. Já nos primeiros meses deste ano o percentual subiu para 34%.
Os trabalhadores que procuram emprego nos postos do Sine encontram vagas, em sua maioria, de cunho operacional e que exigem uma escolaridade mínima (ensino fundamental e/ou médio). Um exemplo é a função de alimentador de linha de produção, que ocupa o primeiro lugar na lista.  Só neste ano, 11.923 vagas foram oferecidas. Em seguida, as vagas de faxineiro e vendedor de comércio varejista estão entre as mais disponibilizadas, com 11.108 e 8.094 postos, respectivamente.
Investimento em qualificação
Apesar de existirem vagas gerenciais e executivas, elas são escassas. “São poucas as vagas. Precisamos quebrar o paradigma de que o Sine somente emprega trabalhadores operacionais”, afirma Frederico Ribeiro, diretor de Políticas de Emprego da Subsecretaria de Trabalho e Emprego (Subte) da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese).
“Ao promover a qualificação profissional, temos a oportunidade de intermediar o trabalhador formado, principalmente pelo Pronatec, ao mercado de trabalho. Assim, temos condição de sinalizar para o empregador que o sistema público de emprego possui condições de gerenciar vagas mais qualificadas”, explica Frederico.
Para enfrentar o quadro de baixo crescimento econômico do país, o Pronatec tem a proposta de qualificar e preparar melhor o trabalhador. “O Sine realizará a pré-matrícula dos trabalhadores nos cursos do Pronatec e atuará junto às empresas para captar as vagas geradoras dos cursos homologados pelo programa. A medida busca coordenar ações de qualificação e demanda do mercado de trabalho”, avalia o diretor de Políticas de Emprego da Subte.
Intermediação com resultados
Dentre os 133 postos do Sine no estado, Uberlândia lidera o ranking por quantidade de colocados. O município do Triângulo Mineiro empregou, entre janeiro e maio, 1.416 trabalhadores. Em anos anteriores, a cidade também ocupou a liderança. Segundo Frederico Ribeiro, esses números são importantes, uma vez que o requerimento SD (seguro-desemprego) ainda é o serviço mais solicitado nos postos do Sine. O de Uberlândia se destaca por fazer o inverso, priorizando a intermediação com os empregadores.
Frederico Ribeiro atribui o bom desempenho ao histórico que a instituição mantém com os empregadores. “A equipe que trabalha na intermediação de mão de obra do Sine é mais robusta em Uberlândia”, aponta o técnico da subsecretaria. Segundo ele, cada unidade do Sine tem suas particularidades.
A integração entre o empregador e as equipes das unidades é uma ação estratégica para atuação do Sine. Os coordenadores de todos os postos são orientados para se aproximarem do empregador e estabelecer parcerias, oferecendo o espaço físico para seleção e capacitação dos trabalhadores e outras ações que auxiliem o empregador a encontrar o trabalhador adequado para o posto de trabalho.
A diretora regional da Sedese em Uberlândia, Gleide Ribeiro Starling Diniz, confirma que a parceria do Sine junto às grandes empresas e a integração da equipe são fatores que contribuem para o reconhecimento da política pública de encaminhamento.  “Como Uberlândia é uma cidade polo, a economia é extremamente dinâmica. O forte de Uberlândia é o agronegócio e o comércio atacadista”, pontua Gleide.
Mais Emprego
O Portal Mais Emprego é uma ferramenta do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) no qual o trabalhador pode acessar o site, se cadastrar e conhecer gratuitamente as vagas oferecidas pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine). Caso o perfil da vaga esteja adequado ao do trabalhador, o mesmo pode emitir a própria carta de encaminhamento e comparecer à seleção.
Via web, o trabalhador também pode consultar a situação do seguro-desemprego, verificar cursos de qualificação, entre outros serviços. Já as empresas podem enviar informações de requerimento de SD, disponibilizar vagas de emprego e avaliar perfis de trabalhadores compatíveis com as vagas disponibilizadas, com a possibilidade de convocar candidatos para a seleção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário