sexta-feira, 26 de junho de 2015

Mutirão fortalece atendimento a presas da Penitenciária Estevão Pinto Técnicos, profissionais de saúde e representantes da OAB e Defensoria Pública trabalham para atender às diversas necessidades das 200 detentas do estabelecimento


Fernanda de Paula/Seds
No primeiro dia do mutirão, 100 presas foram atendidas pelos profissionais.
No primeiro dia do mutirão, 100 presas foram atendidas pelos profissionais.
Um grupo de 25 técnicos das mais diversas áreas da Penitenciária Estevão Pinto, de Belo Horizonte, auxiliados por profissionais da saúde pública, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Defensoria Pública juntaram-se num mutirão para atender as necessidades das 200 presas do regime fechado. A jornada de dois dias foi concluída nesta sexta-feira (26/6) e passará a ocorrer a cada dois meses. A iniciativa inova ao superar o esquema convencional de atendimento em que a presa aguarda um lugar na agenda para atendimentos em datas separadas para tratar de um problema de saúde ou de uma oportunidade de trabalhar ou estudar, por exemplo.
A detenta Karinne Cândido, de 40 anos, aprovou a iniciativa. “Esperava menos. Não achava que a assistência seria tão ampla. Superou minhas expectativas, fui atendida por todos. Só de virmos aqui e ter alguém para nos ouvir já é muito importante. Vestir vermelho é triste, a gente sabe que tem que fazer isso por enquanto, mas se sentir acolhida e atendida é uma parte essencial da ressocialização”, disse.  
No primeiro dia do mutirão, 100 presas foram atendidas pelos profissionais. O salão da família foi o local escolhido para receber o evento. Alguns parceiros da unidade deram sua contribuição, como a Comissão de Assuntos Penitenciários da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o defensor público Adilson da Silva Melo e a equipe do Posto de Saúde da Família (PSF) do bairro Santa Inês, composta por um enfermeiro, um médico e quatro auxiliares de enfermagem.
Segundo a diretora-geral da penitenciária, Názia Aparecida Rocha, a mesma ação aconteceu no mês de maio, apenas para detentas do regime semiaberto, em que 116 foram atendidas. A diretora explica que a proposta de repetir o mutirão a cada dois meses visa manter a estabilidade dos atendimentos que, na opinião dela, é fator de humanização do aprisionamento e de preparação para a reinserção do preso na sociedade.
 “Nós trabalhamos com esse atendimento diferenciado. Não olhamos o artigo do crime de nenhuma delas, porque não estamos aqui para julgar, quem faz isso é o Judiciário. Estamos aqui para possibilitar que elas retornem a sociedade de uma forma melhor de como elas entraram”, afirma a diretora.
Foi justamente com essa expectativa que a presa Elis Regina Gregório, de 31 anos, se preparou para o mutirão. Ela conta que, ao saber da ação, juntou os documentos e aguardou empolgada. “É bem bacana, está sendo muito favorável para gente. Eu estava cheia de dúvidas e acabei tirando todas e ainda recebi atendimento médico. E o mais gratificante foi saber que em breve vou ter um benefício da Justiça e cumprir minha pena em casa, com a minha família”, diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário