sábado, 27 de junho de 2015

Dow AgroSciences inaugura o maior centro de pesquisa biotecnológica da companhia na América Latina 
 
 
A Dow AgroSciences inaugurou seu maior Centro de Pesquisa Biotecnologica da América Latina. O complexo será referência na pesquisa de sementes tropicais com capacidade para atender toda demanda da América da Latina. O Centro proporcionará economia de tempo, em média dois anos, para a conclusão de pesquisas em comparação ao processo atual, o que significa ganho na produtividade dos agricultores, com sustentabilidade e maior lucratividade para o setor.
Proporcionando ganho de capacidade de 80% na produção de híbridos transgênicos da companhia no Brasil, o novo laboratório representa o fortalecimento do portfólio de Sementes, Biotecnologia e Óleos Saudáveis, com soluções inovadoras ainda mais adaptadas às necessidades e características de solo e clima brasileiros.
No local, que possui 4 mil metros quadrados e vai gerar 100 empregos diretos, serão realizados pioneiramente atividades de suporte aos processos de inserção de traits em sementes, previamente efetuados com exclusividade nos Estados Unidos. Também serão feitos testes de regulamentação, controle de qualidade de sementes, análises de traits e de proteínas transgênicas.
“O desenvolvimento de um centro de expertises técnica e científica, em Cravinhos, capaz de desenvolver pesquisa de ponta na área de sementes sinaliza para o setor que o Brasil já atingiu um patamar de excelência na tecnologia aplicada na agricultura”, explica Edimilson Linares, diretor de Pesquisa de Sementes e Biotecnologia para a América latina.
Desde 2013, a Dow AgroSciences investiu mais de US$ 100 milhões na ampliação de suas atividades no país, prova da confiança da empresa na pujança e potencial agrícola brasileiro.
Este laboratório foi concebido com o que há de mais moderno na tecnologia disponível hoje no mundo e compreende um conjunto de análises que possibilita suportar todo o processo de conversão de linhagens transgênicas, evitando o trânsito das sementes entre países que exigiriam maior investimento de tempo e recursos financeiros para o lançamento de novos produtos.
Seu modelo tecnológico permite, ainda, atualizações contínuas, melhorando ainda mais o nível atual de eficiência, o que representa a possibilidade de um rápido acesso do mercado aos melhores híbridos com os melhores traits.
Globalmente, a The Dow Chemical Company investe a cada ano US$ 1,6 bilhão em Pesquisa e Desenvolvimento, com foco em inovação. O time de P&D da Dow conta, em âmbito mundial, com mais de 5.000 pesquisadores. No Brasil, 10% do quadro de funcionários da companhia atua exclusivamente na área de Pesquisa & Desenvolvimento, ou seja, mais de 280 pesquisadores no país. Desde 2013, e empresa já investiu mais de cem milhões de dólares na ampliação de suas atividades no país, prova da confiança da Companhia na pujança e potencial agrícola brasileiro.
Atualmente, o agronegócio brasileiro representa 25% do PIB e mais de 35% dos empregos gerados no país. A biotecnologia é muito importante para a segurança alimentar. O mundo tem o desafio de aumentar a produção de alimentos (aumento de produtividade) sem aumentar a área plantada significamente e a resposta para essa equação, passa necessariamente pela tecnologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário